"Rachadinha" em Macau deve virar caso de investigação do MP

5 de agosto de 2020 | _

A rachadinha nas casa legislativas tão comentada atualmente no plano nacional devido o caso Flávio e Queiroz, não é 1 privilégio apenas dos grandes centro não. Há tempos chegou a redação do blog que no município salineiro (sem arrodeio), Macau cidade litorânea do Rio Grande do Norte, também não fica para trás no quesito de:
Uma pra tu, outra pra mim
Uma pra mim, outra pra tu
Uma pra mim, outra pra mim (estrofe de música de Luiz Gonzaga).

Com Flávio e Queiroz, o esquema era dentro da estrutura do gabinete do então deputado, mas em Macau, 2ª nossa fonte a rachadinha ocorre dentro da estrutura (cargo) da prefeitura, onde o servidor (cargo indicado) por vereador é obrigado a devolver 60% (sessenta por cento) de seus suados vencimentos.

Canalhice, bandidagem.

É importante dizer que a regra e a nota do blog não se aplica à todos vereadores.

Quem não pratica do ato, tá com a consciência tranquilo. Mas quem dele usa, também deve tá né? pois faz.

O MP precisa ser mais eficaz, não dá para fazer como o judiciário que espera morrer e depois cobrar. É hora de apurar.