Intenção de voto em Bolsonaro vai a 43% entre críticos da Lava Jato

14 de agosto de 2020 | _

Pesquisa PoderData mostra como se distribui hoje a intenção de votos para presidente daqueles que enxergam abusos no trabalho da operação Lava Jato e daqueles que avaliam como correta a condução das investigações.


Entre aqueles que acham que a operação foi importante para combater a corrupção, mas ultimamente tem cometido abusos de autoridade, 43% dizem que votariam pela reeleição de Bolsonaro. Esse percentual é maior do que a parcela da população em geral (38%) que apoia 1 novo mandato para o atual presidente (quadro abaixo).


Se apenas apoiadores da Lava Jato pudessem votar no 1º turno das eleições, haveria disputa em 2º turno entre Jair Bolsonaro e Sergio Moro.

Agora, se somente aqueles que enxergam irregularidades nas investigações pudessem ir às urnas, o 2º turno seria entre Bolsonaro e Fernando Haddad (que teria 23% dos votos no 1º turno). O petista disputou as eleições de 2018 no lugar de Lula, que foi condenado em duas ações da operação e passou 580 dias preso.

O ex-ministro Sergio Moro (sem partido) tem 10% de intenções de voto numa simulação para a disputa presidencial de 2022. Esse percentual vai a 15% entre os eleitores que consideram que a Lava Jato faz 1 trabalho correto.

Na simulação de eventual 2º turno entre o atual presidente, Jair Bolsonaro, e Moro, os 2 empatam com 41% das intenções de voto cada. Quando se considera o grupo de eleitores que aprova a Lava Jato, Moro vence Bolsonaro por 47% a 42%. A situação se inverte entre os que enxergam alguns abusos da operação: aí, Bolsonaro tem 45% contra 33% de Moro.

O infográfico abaixo mostra o cenário geral de eventual disputa entre Bolsonaro e Moro no 2º turno.


O infográfico abaixo mostra como ficaria eventual disputa entre Bolsonaro e Moro no 2º turno em 2 cenários: o 1º apenas com quem vê abusos na Lava Jato; e o 2º com somente aqueles que a acham correta.