Bolsonaro é aconselhado a se afastar de radicais para se reeleger

22 de julho de 2020 | _
Interlocutores do presidente Jair Bolsonaro têm o aconselhado a se afastar do seu núcleo de apoiadores mais radicais se quiser se manter no cargo e ter boas chances de reeleição.

A votação do Fundeb na Câmara nesta terça-feira, inclusive, reforçou essa percepção. No primeiro turno, apenas sete deputados votaram contra a proposta. Todos bolosnaristas: Bia Kicis (PSL-DF), Chris Tonietto (PSL-RJ), Filpe Barros (PSL-PR), Junio Amaral (PSL-MG), Luiz Philippe (PSL-RJ), Marcio Labre (PSL-RJ) e Paulo Martins (PSC-PR). 

A avaliação é a de que Bolsonaro precisa fazer um movimento semelhante a que o ex-presidente Lula fez no início do seu governo. Na ocasião, a ala mais radical do PT fez oposição à reforma da Previdência. O grupo acabou deixando o partido para fundar o PSOL. Foi o símbolo do pragmatismo político que o PT adotou e que acabou marcando seus governos.