Após a morte de Mahoro, Mourão sustenta o massacre indígena defendendo "índio mais integrado"

11 de julho de 2020 | _
Com o contágio generalizando-se nas aldeias e regiões ocupadas pelos povos indígenas, o vice presidente Hamilton Mourão lavou deu de ombros e não apresentou nenhuma medida de proteção aos povos indígenas do Brasil. Nesta semana, uma das liderança da causa indígena, o cacique Domingos Mahoro morreu por causa da covid-19, depois de esperar 3 dias por um leito de UTI.

A Secretaria de Saúde Indígena, do Ministério da Saúde, afirma que já houveram 187 mortes de indígenas, mas a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) afirma que o número é muito maior, de 453 mortos. Ao sancionar a Lei que propunha algumas medidas de proteção aos povos indígenas, Bolsonaro vetou a obrigação de fornecimento de insumos básicos como água e mantimentos, para as aldeias. Com isso, e ainda, sem atendimento básico de saúde, Bolsonaro e Mourão seguem a tradição de um país construído em base ao genocídio deste povo.