Prefeito de Natal aprova ivermectina contra coronavírus: “Vamos para cima; estamos só apanhando”

6 de junho de 2020 | _
O prefeito de Natal, Álvaro Dias, afirmou que o antiparasitário ivermectina será distribuído nos postos de saúde da capital potiguar. Ele, que é médico, disse que a equipe da Secretaria Municipal de Saúde, além dele próprio, tem visitado unidades básicas de saúde mostrando aos médicos a ação do medicamento contra o novo coronavírus.

“Podemos usar a ivermectina como tratamento preventivo. Estamos disponibilizando em grande quantidade. Vamos também providenciar outros medicamentos, que fazem o tratamento, que colaboram, que resolvem o coronavírus, destroem o vírus”, afirmou o prefeito na última quinta-feira (4), em entrevista à TV Tropical.

Segundo Álvaro Dias, os postos de saúde de Natal serão abastecidos com os medicamentos que estão no protocolo divulgado esta semana pela SMS que orienta médicos e profissionais de saúde sobre como deve ser o atendimento a casos suspeitos ou confirmados de Covid-19. “Vamos ser agressivos com ele (coronavírus). Estamos só apanhando. Vamos agora para cima dele, com medicamentos que resolvem, destroem, curam e trazem a tranquilidade de volta para as pessoas”, disse Álvaro Dias.

O PROTOCOLO
A Secretaria de Saúde de Natal (SMS) publicou nesta semana um novo protocolo para orientar médicos e profissionais de saúde em geral sobre o atendimento a pacientes com Covid-19, infecção causada pelo novo coronavírus. O protocolo traz desde instruções sobre o acolhimento de casos suspeitos nas unidades de saúde até terapias medicamentosas para casos graves confirmados.

O documento, aprovado pelo secretário de Saúde, George Antunes, e pelo prefeito Álvaro Dias, recomenda o uso de medicamentos como a hidroxicloroquina até para pacientes com sintomas iniciais da doença. Além disso, indica especialmente a ivermectina como medida de prevenção. Não são citados estudos que comprovem a eficácia de nenhum dos remédios para conter a Covid-19.

O protocolo da Secretaria de Saúde de Natal afirma que o uso de medicamentos na fase inicial da doença “pode trazer impacto no curso clínico da doença, reduzindo a possibilidade de agravamento do quadro clínico e, consequentemente, podendo reduzir internações em UTI e necessidade de suporte ventilatório invasivo”.

De forma inédita, o protocolo também incluiu a recomendação da ivermectina como medida de prevenção à Covid-19. Segundo o documento, o remédio, que é um antiparasitário, tem diminuído a replicação do novo coronavírus em ensaios laboratoriais.

“Considerando seu perfil de segurança farmacológico (poucos efeitos colaterais), larga experiência de uso clínico em outras doenças, custo e comodidade posológica, esse medicamento revela-se como uma opção a ser utilizada não somente para tratamento, como também para a profilaxia, somada a outras intervenções não medicamentosas”, diz o documento.

De acordo com o protocolo, nesses casos (prevenção), a ivermectina deve ser usada por quem está altamente exposto ao vírus, como profissionais de saúde e da segurança, e por quem está no grupo de risco para a doença.

A utilização por pacientes jovens e saudáveis não é recomendado, assim como por crianças com menos de 5 anos, gestantes e lactantes.

Apesar de o protocolo trazer toda a forma de uso, incluindo dosagens, o documento diz que o uso deve ser orientado por um médico.

do Agora RN