China pede que empresas de alimentos elevem estoques, por medo de surto de coronavírus no Brasil

18 de maio de 2020 | _
A China pediu que empresas de comércio e processadoras de alimentos aumentem os estoques de grãos e oleaginosas diante de uma possível segunda onda do coronavírus e do agravamento das taxas de infecção em outros países.

Negociadores estatais e privados de grãos, assim como produtores de alimentos, foram orientados a adquirir maiores volumes de soja, óleo de soja e milho durante conversas com o Ministério do Comércio da China nos últimos dias, disseram três fontes comerciais à agência de notícias Reuters. O receio é o fechamento de portos ou a redução de embarques, tanto ao redor do mundo quanto na China.