Brasil em um conflituoso “salve-se quem puder”

31 de maio de 2020 | _
A incapacidade do mandatário no governo do País. Seus atos dos últimos dias respondem, por si só, sobre o grau de delinquência moral, intelectual e mesmo administrativa que atingiu à frente do Planalto. É deprimente e assustador perceber um chefe da Nação vivendo em realidade paralela diante da crise que se agiganta com o avanço do coronavírus, ceifando vidas nos quatros cantos desse país.

O presidente consegue se superar a cada instantes com sua ignorância, desperdiçando em asneiras o tempo que precisaria reservar para cuidar do que realmente interessa e é urgente, o mais adequado seria passar o bastão adiante. Para que se possa fazer dele o uso adequado em prol da coletividade. Inacreditavelmente, na contramão da lógica e do bom-senso, Bolsonaro apareceu como o único governante do mundo civilizado a menosprezar os riscos crescentes da pandemia.

Vizinhos daqui e de demais continentes fecharam fronteiras, enquanto as hesitações emanavam de Brasília. A Suíça acionou a maior mobilização militar já vista desde a Segunda Guerra Mundial. Alemanha e Rússia, repetindo Itália, França e Espanha, fecharam as portas aos estrangeiros. A situação segue se deteriorando rapidamente, ainda sem prazo, enquanto as bizarrices do capitão se acumulam.

Definitivamente, não está preparado para conduzir a nação.

O Brasil e seu povo não precisa somente de 1 governante "honesto" precisamos de 1 homem, de retidão, em todos os sentido.

Entreguemos este nosso país as mãos de Deus.