Bolsonaro faz reunião pra discutir pra discutir medidas na saúde sem presença de Mandela

6 de abril de 2020 | _
Com uma relação conflituosa com seu ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, o presidente Jair Bolsonaro excluiu o auxiliar novamente de uma reunião para discutir o uso da cloroquina em pacientes contaminados pelo novo coronavírus. No encontro, um almoço no Palácio do Planalto, estavam dois dos cotados para assumir a pasta em caso de demissão de Mandetta, o deputado federal Osmar Terra (MDB-RS), ex-ministro da Cidadania, e a médica imunologista Nise Yamaguchi, que tem sido elogiada por bolsonaristas nas redes sociais pela defesa do tratamento precoce com o medicamento.

O uso da substância, indicada para casos de malária, é uma das controvérsias entre Bolsonaro e Mandetta. O presidente é um entusiasta da cloroquina, que tem apresentado resultados promissores contra o coronavírus. O ministro, por sua vez, tem pedido cautela na prescrição do remédio, uma vez que ainda não há pesquisas conclusivas que comprovem sua eficácia contra o vírus. Também estava presentes cinco ministros Convidada especial do almoço, Dra. Nise, como é conhecida, sugeriu a Bolsonaro a adoção do tratamento precoce com cloroquina em todo o Brasil e relatou experiências exitosas de uso do medicamento contra a covid-19. Após o almoço, a médica confirmou ao Estado, por meio da assessoria, que foi convidada para integrar o gabinete de crise do Palácio do Planalto criado para monitorar o avanço do novo coronavírus no Brasil. Ela disse que ainda avalia se aceitará a função.

UOL