Auxílio Emergencial atrasa e deixa dúvidas

23 de abril de 2020 | _
O governo Bolsonaro não consegue se achar e continua com as trapalhadas desde do ínicio do governo em 2019. A macacada agora é com o Auxilo Emergencial, criado pelo Governo Federal para ajudar as pessoas durante a pandemia Covid-19. O que viria para ajudar começa a prejudicar cidadãos que estão dentro dos critérios, mas que não conseguem receber ou mesmo, ter seus cadastros fora de "analise". Parece enrolação mesmo. Milhões de pessoas em situação de "analise", após mais de 15 dias, começam a receber a informação de que seus dados estão inconsistentes.

Outra ponto no auxilio foi o anuncio feito pelo presidente de que iria antecipar o pagamento da segunda parcela para quem recebeu a 1ª, uma semana Jair Bolsonaro voltou atrás, alegando uma suposta “falta de recursos”.

A Caixa prevê que só vai liberar o restante do crédito da primeira parcela em maio – em outra evidência do descaso da gestão Bolsonaro. A maioria da população já está sob quarentena desde meados de março, mas o auxílio emergencial não chegou, ainda, à maioria das famílias que necessitam dessa renda básica e temporária.

Por outro lado o governo que criou o auxílio para que trabalhadores "fiquem em casa", é o mesmo governo que quer acabar com a 40tena. Como entender se o auxílio tinha o propósito de deixar em isolamento o povo, principalmente ambulantes e desempregados.

Cerca de 30 milhões de pessoas receberam até ontem, quarta (22) o total de R$ 22 bilhões, 2º o governo.

De acordo com a Caixa Econômica Federal, os dados são validados pelo governo, e então, depois de aprovados, são liberados.

O prazo divulgado para validação era de até 5 dias úteis após inscrição no aplicativo ou pelo site. Mas tem demorado até 15 dias para aprovação.