André Mendonça evangélico e possível indicado do presidente Bolsonaro para Ministro do Supremo

16 de dezembro de 2019 | _
O ministro da AGU (Advocacia Geral da União), André Luiz de Almeida Mendonça, 46 anos, afirma que “nada mais legítimo” do que 1 evangélico ter a oportunidade de ocupar uma das cadeiras do STF (Supremo Tribunal Federal).

Mendonça é cotado para ser indicado ministro do Tribunal pelo presidente Jair Bolsonaro. O atual chefe do Palácio do Planalto já afirmou que uma das duas indicações que poderá fazer à Suprema Corte até o fim de seu mandato será de 1 ministro “terrivelmente evangélico”.

Para Mendonça, Bolsonaro terá de definir 1 nome que “tenha bom senso”, independentemente de ser evangélico. “O grande desafio é que, quem quer que seja o ocupante da carreira, seja uma pessoa que tenha bom senso, conhecimento jurídico, que saiba ler a sociedade e interpretá-la à luz da Constituição”, declara.

A próxima vaga a que deve abrir no tribunal é a do ministro Celso de Mello. Em 1º de novembro de 2020, ele completa 75 anos, idade em que os membros da Corte são obrigados por lei a se aposentar. Bolsonaro indicará o novo integrante, que terá de ser avaliado pelo Senado Federal.

Mendonça defende que a presença de símbolos religiosos em prédios públicos –como 1 crucifixo no plenário do STF– se deve ao fato de os objetos fazerem parte da origem histórica e cultural do Brasil e que eles devem, “sem dúvida nenhuma”, ser preservados.

O ministro também se posiciona a favor da isenção de pagamento de impostos concedida a igrejas. Para ele, as instituições religiosas exercem “1 papel subsidiário em relação às políticas públicas” e “suprem lacunas” da sociedade.