Oposição representará no STF contra Bolsonaro por obstrução à Justiça

2 de novembro de 2019 | _
Jair Bolsonaro admitiu neste sábado (2) que pegou a gravação das ligações da portaria do Condomínio Vivendas da Barra, no Rio de Janeiro, onde tem uma casa, para que não fossem adulteradas. O presidente falou com jornalistas sobre o assunto durante visita a concessionária em Brasília, onde ele comprou uma motocicleta.

Reportagem do Jornal Nacional revelou na terça (29) que o porteiro do condomínio contou à polícia que liberou Élcio de Queiróz, um dos acusados do assassinato da vereadora Marielle e do motorista Anderson, para ingressar no prédio após consultar a casa 58, e que o “seu Jair” autorizou a entrada. O episódio ocorreu horas antes do assassinato da vereadora.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) avisou que a oposição no Congresso Nacional vai representar contra Bolsonaro na Procuradoria-Geral da República e no Supremo Tribunal Federal (STF) por obstrução à justiça.

“Isto se trata de um crime gravíssimo de obstrução à Justiça. Eu e o deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), líderes da oposição no Congresso Nacional, na segunda representaremos contra o Presidente da República por este crime”, comunicou no Twitter.

A presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann (PR), diz que Bolsonaro deve mais satisfações ao povo brasileiro.

“A tentativa de se distanciar do caso Marielle está dando errado. Primeiro a perícia veloz nas gravações do condomínio e agora admite que pegou provas das investigações. Vai ficando cada vez mais difícil explicar o que aconteceu”, afirmou.

Estratégia de defesa

"A confissão feita por Jair Bolsonaro hoje no início da tarde de que 'nós pegamos, antes que fose adulterada' a gravação das ligações do condomínio Vivendas da Barra nada tem de espontânea ou de deve ao fato de ele ser falastrão. Claramente, Bolsonaro se adiantou a investigações que apontariam este ato, de cujos detalhes ainda não se sabe, e nem o presidente explicou", escreve o colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo.