Rogério Marinho protagoniza o covarde corte nos benefícios das viúvas em 50%

6 de agosto de 2019 | _
O secretário da Previdência Social e do Trabalho do governo de Bolsonaro, o potiguar e ex-deputado federal Rogério Marinho (PSDB), afirmou em entrevista que, caso não aprovada a nova proposta de alteração no valor da pensão por morte da reforma da previdência, o Brasil sofrerá o impacto de R$ 130 bilhões num prazo de 10 anos. Mas propositalmente não diz nada, sobre o impacto que propõe que as viúvas covardemente paguem em nome da manutenção dos lucros patronais.