Ciro afirma que Bolsonaro deve apagar incêndios e falar menos

28 de agosto de 2019 | _
Ciro Gomes chama a atenção para as preocupantes declarações feitas por autoridades internacionais, dentre elas, chefes de Estado, ante ao posicionamento até aqui negligente dos governantes do País, dentre eles o presidente Bolsonaro. As estimativas contabilizam que milhares de hectares da floresta já foram devastados.

Dentre os líderes mundiais que já se manifestaram, estão o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, que ponderou pela necessidade de uma solução internacional para o problema, e o presidente da França, Emmanuel Macron, que, com um tom mais ameaçador, convocou o G7 a se posicionar a respeito.

“Enquanto isso, nós brasileiros, assistimos perplexos a uma sequência de declarações estapafúrdias. E eu me senti obrigado, por responsabilidade ao Brasil, a fazer algumas sugestões ao senhor presidente Jair Bolsonaro “, ressalta Ciro.

“É preciso que ele cale a boca e pare de falar tantas coisas que só põem gravame nesta situação terrível. Que viaje tão logo quanto possível para a região. Que demita este canalha, incompetente e corrupto que ele nomeou para o Ministério do Meio Ambiente, como um sinal de satisfação ao povo brasileiro e à comunidade internacional, de que está querendo o problema. E, a partir desta reunião, tome imediatas providências para conter esse devastador incêndio.”

Ciro destaca que, embora o Brasil possua equipamentos importantes e que não estão acionados, diante de uma tragédia desta natureza, o País tem a liberdade de pedir ajuda internacional, como de Portugal, que tem tido êxito no enfrentamento de grandes incêndios florestais, e dos Estados Unidos, pelo potencial de suas aeronaves. Atitude tomada, pelo presidente da Bolívia, Evo Morales, que autorizou a contratação de uma aeronave-tanque do tipo Boeing 747 chamado Super Tanker para combater os focos de incêndio na região boliviana da floresta amazônica.

“Em qualquer circunstância, é preciso que o Bolsonaro, volto a dizer, pare de falar bobagem, assuma a responsabilidade e tome a linha de frente da defesa deste patrimônio que pertence aos brasileiros, mas é também objeto da cobiça internacional.”

De acordo com Ciro, ao afirmar, levianamente, que este incêndio é criminoso, “provocado por homens”, o Bolsonaro agrava o problema, sobretudo no âmbito político, e coloca o Brasil em cheque quanto à hegemonia no controle da parte da Amazônia que pertencente ao País.

“Agravando, muito dramaticamente o risco que o Brasil tem um dia não ser mais considerado capaz de administrar esse patrimônio que nos pertence que é a Amazônia brasileira”.