Novas mensagens divulgada pelo The Intercept procuradores criticaram atuação de Moro e ida para ministério

29 de junho de 2019 | _
O site The Intercept divulgou na madrugada deste sábado (29.jun) novos trechos de conversas entre procuradores do Ministério Público Federal que integram a força-tarefa da operação Lava Jato. Nos diálogos, eles questionam a atuação do então juiz federal Sergio Moro e criticam sua ida para o Ministério da Justiça.

Em uma das conversas, datada de 1º de novembro de 2018, horas antes de Moro anunciar ter aceito o convite de Jair Bolsonaro para ser ministro, a procuradora Monique Cheker, de São Paulo, diz que o então juiz “viola sempre o sistema acusatório e é tolerado por seus resultados”. A declaração foi feita em 1 grupo chamado “BD”:

Ângelo [Augusto Costa, procurador do MPF em São José dos Campos] – 10:00:07 – Cara, eu não confio no Moro, não. Em breve vamos nos receber cota de delegado mandando acrescentar fatos à denúncia. E, se não cumprirmos, o próprio juiz resolve. Rs.
Monique [Cheker, Procuradoria da República nos municípios de Osasco e Barueri] – 10:00:30 – Olha, penso igual.
Monique – 10:01:36 – Moro é inquisitivo, só manda para o MP quando quer corroborar suas ideias, decide sem pedido do MP (variasssss vezes) e respeitosamente o MPF do PR sempre tolerou isso pelos ótimos resultados alcançados pela lava jato
Ângelo – 10:02:13 – Ele nos vê como “mal constitucionalmente necessário”, um desperdício de dinheiro.
Monique – 10:02:30 – Se depender dele, seremos ignorados.
Ângelo – 10:03:02 – Afinal, se já tem juiz, por que outro sujeito processual com as mesmas garantias e a mesma independência? Duplicação inútil. E ainda podendo encher o saco.
Monique – 10:03:43 – E essa fama do Moro é antiga. Desde que eu estava no Paraná, em 2008, ele já atuava assim. Alguns colegas do MPF do PR diziam que gostavam da pro atividade dele, que inclusive aprendiam com isso.
Ângelo – 10:04:30 – Fez umas tabelinhas lá, absolvendo aqui para a gente recorrer ali, mas na investigação criminal – a única coisa que interessa -, opa, a dupla polícia/ juiz eh senhora.
Monique – 10:04:31 – Moro viola sempre o sistema acusatório e é tolerado por seus resultados.

No dia anterior ao anúncio (31.out.2018), os procuradores discutiam a possibilidade do então juiz assumir o Ministério. Uma a se manifestar contra a decisão foi a procuradora Laura Tessler, a quem –segundo conversas anteriores divulgadas pelo Intercept– Moro teria sugerido 1 treinamento:

Isabel Groba – 09:24:41 – É o fim ir se encontrar com Bolsonaro e semana que vem ir interrogar o Lula.
Jerusa Viecili – 09:25:20 – Concordo com tudo, Isabel!
Laura Tessler – 09:25:27 – Tb!
Laura Tessler – 09:26:01 – Pelo amor de Deus!!!! Alguém fala pro Moro não ir encontrar Bolsonaro!!!
Antônio Carlos Welter – 09:44:35 – Deltan Min do STF é um cargo no judiciário, que seria o reconhecimento máximo na carreira. Como ministro da justiça vai ter que explicar todos os arroubos do presidente, vai ter que engolir muito sapo e ainda vai ser profundamente criticado por isso. Veja que um dos fundamentos do pedido feito ao comitê da Onu para anular o processo do Lula é justamente o de falta de parcialidade do juiz. E logo após as eleições ele é convidado para ser Ministro. Se aceitar vai confirmar para muitos a teoria da conspiração. Vai ser um prato cheio. As vezes, o convite, ainda que possa representar reconhecimento (merecido), vai significar para muita gente boa e imparcial, que nos apoia, sem falar da imprensa e o PT, uma virada de mesa, de postura, incompatível com a de Juiz.

No mesmo dia, em outro grupo, chamado “Winter is coming”, a notícia de que Moro viajou para o Rio de Janeiro para se encontrar com Bolsonaro irritou alguns procuradores:

Janice Ascari – 08:06:11 – Moro se perdeu na vaidade. Que pena.
João Carlos de Carvalho Rocha – 08:10:31 – Ele se perdeu e pode levar a Lava Jato junto. Com essa adesão ao governo eleito toda a operação fica com cara de “República do Galeão”, uma das primeiras erupções do moralismo redentorista na política brasileira e que plantou as sementes para o que veio dez anos depois.

Em 6 de novembro, dias depois de Moro anunciar que aceitaria chefiar o Ministério da Justiça, Deltan Dallagnol, que o defendia em grupos de procuradores quando o assunto ainda era especulado, disse, em conversa privada com a procuradora Janice Ascari, que a ida para o governo de Jair Bolsonaro poderia criar “alegações de parcialidade” sobre a Lava Jato.

Deltan Dallagnol – 11:50:41 – Jan, não sei qual sua posição sobre a saída do Moro pro MJ, mas temos uma preocupação sobre alegações de parcialidade que virão. Não acredito que tenham fundamento, mas tenho medo do corpo que isso possa tomar na opiniã pública. Na minha perspectiva pessoal, hoje, Moro e LJ estão intimamente vinculados no imaginário social, então defender o Moro é defender a LJ e vice-versa. Ainda que eu tenha alguma ponderação pessoal sobre a saída dele, que fiz diretamente a ele, é algo que seria importante – se Vc concordar – defender… Quanto à delação do Palocci, tema em que podem entrar, expliquei essa questão na minha entrevista da Folha de umas semanas atrás, não sei se chegou a ver, então mando aqui… bjus
Janice Ascari – 12:55:05 – Oi querido, nosso pensamento é convergente. Também me preocupo com esse aspecto da parcialidade dele, porque põe em dúvida, também, o trabalho do MPF. Pretendo, além de, claro, defender a LJ como sempre faço (até quando não concordo com algumas coisas rsrs), mostrar que o Ministério da Justiça tem muita coisa com que se preocupar além da LJ, que continuará com Moro ou sem Moro.

BOLSONARO
Ainda durante as eleições, integrantes da Lava Jato demonstraram preocupação com o fato de a operação parecer favorecer a candidatura de Jair Bolsonaro. Uma delas, Jerusa Viecili, chegou a questionar os colegas se não seria o caso de a força-tarefa emitir uma nota se posicionando:

Jerusa Viecili – 14:45:52 – Pessoal, desculpem voltar ao assunto (sou voto vencido), mas, somente esta semana, várias pessoas, inclusive alguns colegas e servidores, me questionaram a ausência de manifestação da FT diante de alguns posicionamentos dos candidatos à presidência. Fato é que sempre nos posicionamos diante de várias ameaças ao nosso trabalho e, nos últimos dias, temos ficado silentes, mesmo com ameaças de candidatos à independência do Ministério Público (nomeação de PGR fora da lista tríplice) e à liberdade de imprensa. Em outros tempos, por motivos outros, mas igualmente relevantes e perigosos, divulgamos nota, convocamos coletiva e ameaçamos renunciar (!). Agora, jornalistas escrevem no Twitter que a LAVA JATO é caso de desaparecido político, pois já alcançou o que queria. Acho muito grave ficarmos em silêncio quando um dos candidatos manifesta-se contra a nomeação do PGR da lista tríplice, diante de questões ideológicas. Mais grave ainda, assistirmos passivamente, ameaças à liberdade de imprensa quando nós somos os primeiros a afirmar a importância da imprensa para o sucesso da Lava Jato. Igualmente grave, candidatos divulgarem nomes de futuros ministros que são alvos de investigações e processos por corrupção. Nossa omissão também tem peso e influência. Eu sinceramente não quero (e isso a penas a história dirá) que a Lava Jato seja vista, no futuro, como perseguição ao PT e, muito menos, como co-responsável pelos acontecimentos eleitorais de 2018. . . .

Na noite de 28 de outubro, dia em que Bolsonaro derrotou Fernando Haddad no 2º turno e foi eleito presidente da República, os procuradores mostraram incômodo com o fato de a mulher de Moro, Rosangela, comemorar a vitória do pesselista:

Alan Mansur PRPA – 20:21:05 – Esposa de Moro comemorando a vitória de Bolso nas redes
José Robalinho Cavalcanti – 20:21:29 – Erro crasso.
José Robalinho Cavalcanti – 20:22:09 – Compromete moro. E muito
Janice Agostinho Barreto Ascari – 20:25:30 – Moro já cumprimentou o eleito. Como perde a chance de ficar de boa, pqp
Luiz Fernando Lessa – 20:25:56 – esse povo do interior
Luiz Fernando Lessa – 20:26:02 – é muito simplório

O fato ainda seria lembrado em outra conversa de 1º de novembro, depois de o então juiz anunciar que aceitaria 1 cargo no governo. Monique Cheker afirma que ficará a impressão de que Moro fez uma “escadinha”, incluindo o fato de sua mulher ter feito “propaganda para Bolsonaro”:

Monique Cheker – 11:27:01 – Diferente se fosse ao STF direto. Seria perfeito. Políticos precisam obedecer prazos de desincompatibilidade. Por que não juízes e membros do MP? O distanciamento é importante numa república. Não basta ser honesto, tem que parecer honesto. Enfim.
Alan Mansur 11:28:04 – [imagem não encontrada]
Monique Cheker – 11:28:23 – E a “escadinha” disso tudo foi terrível: Moro ajudou a derrubar a esquerda, sua esposa fez propaganda para Bolsonaro e ele agora assume um cargo político. Não podemos olhar isso e achar natural

Ao Intercept, o MPF (Ministério Público Federal) voltou a falar em ataque hacker e disse não ser possível “constatar o contexto e a veracidade do conteúdo”.

“O trecho do material enviado à Força-Tarefa não permite constatar o contexto e a veracidade do conteúdo. Autoridades públicas foram alvo de ataque hacker criminoso, o que torna impossível aferir se houve edições no material alegadamente obtido. A Lava Jato é sustentada com base em provas robustas e em denúncias consistentes, analisadas e validadas por diferentes instâncias do Judiciário. Os integrantes da Força-Tarefa pautam suas ações pessoais e profissionais pela ética e pela legalidade”, afirmou.

Este é o 7º lote de conversas entre Moro e Dallagnol divulgado pelo Intercept. O 1º foi mostrado em reportagem de 9 de junho. Nele, o então juiz parece direcionar o procurador em operações da força-tarefa da Lava Jato. No 2º, mostrado pelo editor-executivo do Intercept, Leandro Demori, à rádio BandNews FM, Moro e Dallagnol dizem confiar no apoio do ministro Luiz Fux, do STF (Supremo Tribunal Federal). No 3º, divulgado em 14 de junho, Moro orienta o MPF a emitir uma nota para rebater o que chamou de ‘showzinho’ da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No 4º, Moro sugere ao MPF que uma investigação contra o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso seria pouco relevante. O 5º foi divulgado pelo jornalista Reinaldo Azevedo em 20 de junho. Nele, Dallagnol aparece seguindo orientações de Moro. Já o 6º foi divulgado em 23 junho pela Folha de S. Paulo e mostra a força-tarefa da Lava Jato unida para proteger Moro de tensões com o STF (Supremo Tribunal Federal).

Desde a 1ª reportagem, Moro nega qualquer ilegalidade nas conversas. O MPF, por sua vez, diz que a Lava Jato é imparcial. Os 2 ainda atribuem o vazamento das conversas à ação de hackers.