‘Se Bolsonaro não quiser a Previdência, pego o avião e vou embora’, Paulo Guedes

24 de maio de 2019 | _
O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que renunciará ao cargo e deixará o país caso o projeto original da reforma da Previdência entregue pela equipe econômica do governo for muito modificado.

“Eu não sou irresponsável. Eu não sou inconsequente. Ah, não aprovou a reforma, vou embora no dia seguinte. Não existe isso. Agora, posso perfeitamente dizer assim, ‘Olha, já fiz o que tinha de ser feito, não estou com vontade de ficar, vou dar uns meses, justamente para não cair problemas, mas não dá para permanecer no cargo’ . Se só eu quero a reforma, vou embora para casa. Se eu sentir que o presidente não quer a reforma, a mídia está a fim só de bagunçar, a oposição quer tumultuar, explodir e correr o risco de ter 1 confronto sério… pego o avião e vou morar lá fora.”, disse.

As afirmações foram feitas em entrevista à revista Veja, publicada nesta sexta (24).

O ministro, chamado por Bolsonaro nos tempos de campanha de “Posto Ipiranga”,  avaliou o governo, em uma escala de 0 a 10, com a nota 7,5. Disse que se o governo tivesse conseguido fazer alianças entre centro e direita rapidamente e que se a imprensa tivesse feito “sua parte, explicando para todo mundo entender, poderia ser 10”.

A reforma da Previdência é a pauta prioritária do governo. O projeto enviado ao Congresso Nacional propõe que a reforma traria uma economia de até R$1,2 trilhão aos cofres públicos.

Alguns congressistas do governo já apelidaram o projeto modificado de “reforminha”. Isso porque ele pode ser mais flexível e excluir algumas propostas da equipe econômica como mudanças no BPC (Benefício de Prestação Continuada) e na aposentadoria rural.

Guedes disse que se os congressistas aprovarem 1 projeto que represente uma economia menor do que R$800 bilhões, seria apenas “1 remendo”.

Na entrevista, Guedes voltou a dizer que, caso o Brasil não aprove a reforma, pode quebrar em 2020.

“Se não fizermos a reforma, o Brasil pega fogo. A velha Previdência quebrou. Não vamos ter nem dinheiro para pagar aos funcionários. Vai ser o caos no setor público, tanto no governo federal como nos estados e municípios”, disse à revista.

Apesar de os deputados discutirem modificações nos texto, Guedes disse que o presidente Jair Bolsonaro está totalmente empenhado em aprovar a reforma nos moldes que foi enviado para os congressistas.

REELEIÇÃO
O ministro disse que Bolsonaro “não tem apego ao cargo em si” e por isso não pensa na reeleição. No entanto, não descarta a possibilidade. De acordo com Guedes, caso a situação do Brasil esteja próxima à da Venezuela, Bolsonaro estará “aqui para servir à população brasileira”

REDUÇÃO NOS PRIVILÉGIOS
O ministro voltou falar que a reforma se propõe a cortar privilégios. “Um dos grandes problemas da Previdência é que ela é uma fábrica de desigualdades, uma máquina perversa de transferência de renda. Tira-se de quem tem menos e passa-se para quem tem mais. Hoje, 83% dos aposentados brasileiros ganham menos de dois salários mínimos. A pessoa que trabalha no Legislativo ganha cerca de vinte vezes mais que a média do INSS. Isso é 1 absurdo“, afirmou à revista.

CRESCIMENTO
O ministro disse que devido aos fracos sinais de retomada econômica, o mercado tem reajustado para baixo as projeções do PIB (Produto Interno Bruto). Nesta semana, a previsão de crescimento para 2019 caiu pela 12ª semana consecutiva.

Para o ministro, a aprovação da medida impulsionaria o crescimento da economia ainda este ano. “É evidente que ela [reforma da Previdência] vai deflagrar ondas de investimento interno e de poupança externa”.

De acordo com Guedes, os recursos que foram contingenciados poderão ser liberados caso a reforma seja aprovada. Em abril, o Ministério da Educação fez 1 bloqueio nas verbas de  universidades e institutos federais. Em resposta, milhares de professores e alunos foram às ruas em inúmeras cidades do país.

MINISTÉRIO: GUEDES TEM “TOTAL COMPROMISSO” COM RETOMADA ECONÔMICA
Em nota divulgada no início da noite desta 6ª, o Ministério da Economia disse que Guedes tem “total compromisso […] com a retomada do crescimento econômico do país”. A pasta ainda faz um afago ao Congresso, afirmando que o ministro tem “absoluta confiança” no trabalho da instituição.

Eis a íntegra da nota:

“O Ministério da Economia reafirma o total compromisso do ministro Paulo Guedes com a retomada do crescimento econômico do país e rechaça qualquer hipótese de que possa se afastar desse propósito.

O Ministério da Economia reitera ainda sua absoluta confiança no trabalho do Congresso Nacional, instituição com a qual mantém excelente diálogo, para garantir a aprovação da Nova Previdência com economia superior a R$ 1 trilhão.”
Poder360