Policias que quebraram braço de dirigente petista em Atibaia são afastados

5 de março de 2019 | _
Os policiais militares envolvidos na ação que quebrou o braço do advogado e presidente do diretório municipal do PT em Atibaia, Geovani Leonardo Doratiotto da Silva, foram afastados. Segundo Phamella Dal Bello, companheira de Geovani, na segunda (4) o advogado teve o braço quebrado por um policial por questionar as lesões e o uso das algemas. “Quebraram o úmero e ele perdeu o movimento dos dedos”, relata.

A informação do afastamento dos PMs foi confirmada ao UOL pelo ouvidor da polícia do estado de São Paulo, Benedito Mariano. “De acordo com a Corregedoria da PM, eles ficarão afastados até a conclusão da investigação.”

Nas redes sociais, Phamella descreveu a agressão. “Ontem eu, meu companheiro e outros camaradas estávamos participando da ação contra o assédio no carnaval e fomos interceptados por bolsominions. Geovani vestia uma camiseta do Lula, fomos xingados e ofendidos da maneira mais raivosa possível, quando viramos para ir embora um deles deu um murro no olho do Geovani e os outros pularam em cima dele da maneira mais covarde segurando o cabelo dele pressionando o rosto contra o chão, chutes na cabeça e nas costelas, dois seguravam e outros batiam.”

Ainda segundo Phamella, quando chegaram à delegacia, Doratiotto foi algemado. “Com duas algemas que eles apertaram o quanto puderam para machucar. Quando aleguei que ele era diabético e que as extremidades estavam machucadas e arroxeadas eles então soltaram.”