Macau: personagem político macaunese mesmo afastado é assunto nas rodas e nas redes

24 de fevereiro de 2019 | _
Alguns dicionários indicam que a palavra medo significa uma espécie de perturbação diante da ideia de que se está exposto a algum tipo de perigo, podendo ser real ou não. Pode-se entender também como 1 estado de apreensão, de atenção a algo ruim.

Medo este que pode ser visto como 1 estado de alerta extremamente importante aos apuros que se está exposto na sua zona de conforto ou ainda para sua sobrevivência humana. Esse medo (perigo), coloca-se em alerta, diante de algo que se acredita ser uma ameaça. Assim, vejo 1 post que vi reproduzido em alguns dos blogs da cidade de Macau, onde o mesmo se refere ao médico Eduardo Lemos, e sua "suposta ascensão" ao cargo de prefeito do município de Macau, infelizmente representado hoje pelo primo que leva o mesmo sobrenome.

Aqui... logo aqui, faço uma pergunta: qual será o medo desse ente político e de outros nomes da cena política macauense, em uma disputa eleitoral do médico ao Palácio João Melo? se para eles, pelo menos nas redes sociais, dizem que Eduardo "já deu, passou". Nessa ótica, não seria isto bom para qualquer adversário? mas por qual dos motivos o médico lhes põem tanto medo?

Até ficaria sem entender se não tivesse explicito nas entrelinhas da narrativa o medo, e de onde saiu o texto. O que reforça 1 dito popular, "Ninguém atira pedra em cachorro morto".

E durante algumas poucas viagens pela rede mundial, eis que também me deparo com outro post, neste, o autor contrapõe o 1º, onde mostra com toda lógica que o nome que dar origem as  narrativas, está de forma afastado da cena política local e mesmo assim, ainda causa assunto.

O post está na time line do vereador Pintinho, autor do texto, onde ele também explica os motivos pelo qual Eduardo Lemos é lembrado em Macau.

Difícil não lembrar do médico, quando ele está nos 4 cantos da cidade. Seja quando se vai a Central do Cidadão, seja quando se atravessa a ponte Macau/Ilha de Santana, seja quando se vai ao restaurante popular, ou quando se fala em saneamento básico, farmácia popular e outros tantos benefícios que se foi feito através dele. Isto sem falar na saúde de muitos cidadãos macauenses, opositores ou não, todos tratados por igual.

É inquestionável isto.

Eduardo não foi prefeito da cidade, mas fez muito por Macau, mais do que muitos que por esse cargo já passaram.

Não sou de defender ninguém aqui, mas não vamos ser injustos com quem faz por Macau.

Sei das muitas criticas que vamos receber, mas isso não incomoda nadica de nada. Zelo pelo que faço, pelo que penso e não me furto a isto.

Já critiquei e defendi muitos aqui, independente de posição e ideologia.

Não se consegue agradar a todos.

Sabemos que os manifestantes contra e até a favor, serão militantes, os populares em geral não se manifestam nas redes sociais sobre muitos assuntos e por tanto, não se pode medir em 1 universo maior dos pros e contras.

Segue o post do vereador: