Mais Médicos: profissionais do programa estão com salários em atraso no governo Bolsonaro

10 de janeiro de 2019 | _
O presidente Jair Bolsonaro que sempre foi contra o Mais Médicos, e que quando em campanha eleitoral que era contra devido a questão humanitária, e que o programa era 1 trabalho escravo, agora depois dos cubanos terem sidos forçados a abandonar o programa, os médicos brasileiros que ficaram em seus lugares, reclamam que não recebem salários. Será que é por uma questão de humanitária!

Pois é, depois das afirmativas repetidamente durante a campanha e depois de eleito que os cubanos do Mais Médicos eram submetidos a um "regime de escravidão", seu governo não está pagando os brasileiros que entraram no programa para substituir os profissionais do país caribenho. Os médicos que passaram a fazer parte do programa, em dezembro, após a saída dos médicos cubanos, não receberam o pagamento devido até agora. De acordo com o Ministério da Saúde, o problema atinge cerca de 5.036 médicos. Pelas regras do programa, cada profissional deve receber uma bolsa de R$ 11.800, além de auxílio-moradia.

A previsão era que o pagamento ocorresse ainda na primeira semana de janeiro de forma proporcional aos dias trabalhados. Alguns profissionais iniciaram o serviço na primeira semana de dezembro. Outros se apresentaram na semana seguinte.