Macau: Prefeito ganha na justiça direito de não pagar os servidores que trabalham

10 de janeiro de 2019 | _
Prefeito de Macau, Tulio Lemos (PSD), aquele da famosa frase "Dinheiro tem, falta gestão", quando em campanha se referindo a administração do então prefeito Einstein Barbosa, que a época a sua gestão amargava os piores momentos de arrecadação financeira no município, tendo meses de alcançar valores iguais apenas a R$ 4,4 milhões. Agora vivendo outra realidade, os cofres da prefeitura arrecadam até R$ 10 milhões ou mais de reais, como pode ter ocorrido no messes de novembro e dezembro de 2018, quando de fato se arrecadou mais de R$ 9,8 milhões e ainda com falta de contabilização de dados não informados no portal com IPTU por exemplo e outros.

O curioso de tudo isto, é que hoje, não mais em campanha, mas na direção da gestão macauense, o prefeito não consegue pagar salários. Seria uma questão de gestão ou uma questão pessoal para com o povo de Macau, que lhe outorgou o mandato de prefeito.

Para onde estão vão tanto dinheiro se nem ao menos o senhor paga ao povo seu prefeito?

E os vereadores? sim! de recesso. Nas redes só posam para fotos, não fazem nenhum questionamento. Quem será deles que vão cobrar os direitos do povo que os puseram lá? Quem será que vai se pronunciar 1º? Estaremos de olho.

Já se aproxima as próximas eleições, precisamos renovar mais. É preciso que a população exija de seus parlamentares, cobrando-lhes que tomem uma atitude em defesa do povo macauense e que não sejam estes covardes.

Outra frase famosa do prefeito Tulio Lemos, diz respeito a questão dos salários em dia na administração do prefeito Zé Antonio. Entre palanques e rádios o atual gestor da cidade disse que Zé Antonio não fazia mais que sua obrigação, que salários em dia não era se não obrigação. Verdade!

Mas, e agora?

Salários em dia não é mais uma obrigação básica?
Mudou? por que será?

Nesta quinta (10) o prefeito conseguiu na justiça derrubar a liminar que o obrigava que pagasse os salários dos servidores. Ele além de não pagar os vencimentos dos funcionários, ainda gastou dinheiro da povo com advogados para reverter a determinação a seu favor.

E venceu. Foi desobrigado a não pagar. Com isso, os servidores vão amargar mais um "tiquim" de tempos sem ver a "mufunfa".
O que está marcado de vermelho são dados que não se encontram nas planilhas do governo. Não se sabe porque.