Centrais mudam discurso, mas seguem sem transformar o rechaço às reformas

16 de janeiro de 2019 | _
Nas últimas semanas, frente à materialização do plano econômico do governo Bolsonaro/Guedes, a maioria da população se posicionou contrária às medidas que a atual gestão propõe, em especial as privatizações e a reforma da previdência. Há nesses dados um enorme potencial de luta, mas é preciso que as centrais sindicais construam um plano de lutas sério para transformar o repúdio em mobilização.

A pesquisa publicada em 05/01, realizada pelo Datafolha, mostra que 57% da população é contra as privatizaçõese outras medidas de ataques econômicos de Bolsonaro. O ânimo nos mercados é enorme, não apenas pelo lucrativo anúncio das privatizações e a liberalização dos ativos da Petrobras.

Em todas as maiores mídias do país, a tendência é fazer propaganda pró reforma da previdência, com 1 discurso mentiroso de que é assim que se vai resolver o problema da economia nacional. Não faltam dados que mostram que o que mais compromete o orçamento do país é justamente o pagamento da dívida pública, e que na verdade, os privilégios aos políticos e judiciário.