Bolsonaro transfere Coaf para Ministério da Justiça; será que quer que o "justiceiro" da Lava Jato pegue o Queiroz?

2 de janeiro de 2019 | _
O presidente Bolsonaro transfere para o ministério do Sergio Moro o Coaf. Ai fica a pergunta: qual foi a verdadeira intenção do presidente neste ato? Órgão é responsável por analisar transações financeiras suspeitas e responsável pela investigação de 370 mil pessoas físicas e empresas em 2018, o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) foi transferido do extinto Ministério da Fazenda para o Ministério da Justiça e Segurança Pública, que tem o ex-juiz Sérgio Moro como chefe da pasta. Foi o Coaf quem primeiro identificou as “transações atípicas” de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL/RJ) que depositou 40 mil reais na conta da primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

A alteração está na medida provisória (MP) nº 870, divulgada na noite desta terça (1º), em edição extra do Diário Oficial da União. A medida provisória trouxe a organização dos órgãos da Presidência da República e dos ministérios.

Além da MP, um decreto presidencial com o estatuto do Coaf foi publicado nesta quarta (2), com o conselho integrando o Ministério da Justiça e Segurança Pública.

O Coaf é responsável por ações de inteligência para prevenir a lavagem de dinheiro, ocultação de patrimônio e o financiamento do terrorismo. O órgão recebe, examina e identifica ocorrências suspeitas de atividade ilícita e comunica às autoridades competentes.

Será que vão pegar o Queiroz?