Macau: mesmo com arrecadação recorde gestão continua com atraso de salários de ativos e inativos

13 de dezembro de 2018 | _
Prefeito de Macau vive na controvérsia do discursos da bonança


Em seus discursos, infamados durante a campanha de 2016 o então candidato a prefeito de Macau, Tulio Lemos, se aproveitou do gogó, pintando e bordando, o que até agora foi apenas conto. Lemos cometeu o maior de seus estelionato político, fato este estampado nos quatro cantos da cidade. Usuário de uma frase que acabou virando jargão da oposição após assumir o comando do município macauense " Dinheiro tem, o que falta é gestão", Tulio tem vivido dias de ouro com os significativos aumentos na arrecadação do município, mas ainda assim, não consegue regularizar as contas publicas do município salineiro.

Servidores ativos e inativos, encontram-se com salários em atraso.

Ontem, a justiça determinou que o prefeito coloque todos os vencimentos de servidores em dia, inclusive cumpra com o pagamento do 13º salário.

Também ontem, circulava uma nota da prefeitura informando que pagaria hoje (13), o 13º salário dos servidores efetivos do município. Esse dinheiro é repasse do Governo Federal para ser obrigatoriamente empregado ao pagamento deste benefício ao trabalhador, dividido em 2 vezes, a 1ª parte foi repassada em julho.

O prefeito não pode mais, usar sua desculpas de que a gestão Einstein entregou o município falido. Isto não é verdade, mesmo porque em seu discurso como dizemos acima, o prefeito dizia que hávia dinheiro e faltava gestão.

Então o que realmente falta é gestão e sobra muito dinheiro. É preciso saber porque com uma arrecadação de R$ 10 milhões, antes beirava apenas R$ 7 milhões o prefeito hoje não consegue sair do caos financeiro.

Falta planejamento e gestão, e isto é fato. Não há justificativa para outro discurso, uma vez que os valores arrecadados pela Prefeitura de Macau só aumentaram na gestão do atual governo. Em sua gestão como prefeito desde que assumiu o comando da prefeitura, a arrecadação só cresce, mas no município o que se ver é uma crise econômica iminente. Talvez se o prefeito realizar ações para controlar as finanças da Prefeitura, diminuindo os gastos, cortando excessos, respeitando o servidor público e corte em contratos desnecessários, isso possa garantir uma recuperação administrativa.