Juiz e futuro ministro dos Bolsonaros Sergio Moro na saia-justa na Operação Furna da Onça

7 de dezembro de 2018 | _
O que se passa na cabeça do algoz do Lula, o futuro ministro da justiça Sergio Moro, quando veio a tona o escândalo envolvendo a (família Bolsonaro), a senador eleito Flávio Bolsonaro e a futura 1ª dama Michelle Bolsonaro?

A partir de 1º de janeiro,  o juiz ministro da justiça será o chefe da Polícia Federal e do Coaf e assim como jabuti não sobe em árvore, o Ministério Público, o Coaf e outras corporações do setor de investigações não dão ponto sem nó.

O vazamento do relatório que apontou movimentação atípica de R$ 1,2 milhão na conta de um ex-assessor do senador eleito Flávio Bolsonaro — apontando inclusive um cheque de R$ 24 mil para a futura primeira dama Michelle Bolsonaro — criou uma saia-justa para o novo governo. A pergunta que não quer calar em Brasília é se, antes mesmo da posse, a família Bolsonaro começará a ser investigada.

Tal investigação não existe ainda. Fabrício Queiroz, o ex-assessor do filho 01 na Alerj, entrou numa lista de 22 funcionários que, segundo o Coaf, tiveram movimentação financeira incompatível com seus ganhos. Essa lista foi anexada pelo Ministério Público à investigação que deu origem à Operação Furna da Onça, que teve como alvo os esquemas na Alerj.

Se a investigação for aberta, portanto, estará nas mãos do sujeito que abriu a caixa e soltou todos os monstros – que, agora, se torna numa palha de caranguejo incontroláveis. Seu comportamento será acompanhado com lupa para ver se o pau que bate em Chico bate em Francisco.