Roberto Castello Branco aceita convite e será presidente da Petrobras; à caminho da privatização

19 de novembro de 2018 | _
O economista Roberto Castello Branco será o novo presidente da Petrobras, informou a equipe de Jair Bolsonaro nesta segunda (19). Ex-diretor do Banco Central e da Vale, ele foi indicado ao presidente eleito Jair Bolsonaro para o cargo pelo futuro ministro da Economia, Paulo Guedes. Segundo a nota, Catello Branco aceitou o convite.

Roberto da Cunha Castello Branco já trabalhou na Petrobras. O engenheiro integrou o Conselho de Administração e o Comitê de Auditoria da estatal nos anos de 2015 e 2016. À época, Graça Foster presidia a empresa, no governo de  Dilma Rousseff (PT).

De perfil liberal, a exemplo de Guedes, Castello Branco é defensor da privatização da empresa e de outras estatais.

Em artigo publicado na Folha de S.Paulo em 2 de junho, o economista defendeu a privatização da companhia ao criticar a intervenção do governo Michel Temer no preço do óleo diesel para acabar com a greve dos caminhoneiros, que prejudicou o abastecimento no país por dez dias em maio.

Segundo seu currículo na Plataforma Lattes, do CNPq, Castello Branco tem doutorado em economia pela FGV (1977) e pós-doutorado pela Universidade de Chicago (1977-78). A instituição norte-americana é uma referência na vertente liberal –o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, foi aluno da escola de Chicago.

Atualmente é diretor no Centro de Estudos em Crescimento e Desenvolvimento Econômico da Fundação Getúlio Vargas. O atual presidente da Petrobras, Ivan Monteiro, permanece no comando da estatal até a nomeação do novo presidente, disse a Petrobras em nota.