De costas para trabalhador, Bolsonaro acaba com Ministério do Trabalho

8 de novembro de 2018 | _
O Brasil tem atualmente 12 milhões de desempregado, de acordo com Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). “Se cada desempregado tiver mais duas ou três pessoas dependendo dessa renda teremos, a grosso modo quase 40 milhões de pessoas subsistindo com grande dificuldade porque não tem renda fixa e nem perspectiva de futuro”, completou o consultor do Diap. 

De acordo com o dirigente da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), o ministério do Trabalho mesmo com limitações estruturais recentes, atua para minimizar as condições de desigualdade entre o capital e o trabalho. “O atual Governo busca remover todas as formas, regulações e estruturas sindicais que protejam os assalariados que vivem do trabalho”, alertou o sindicalista. 

Vagner Freitas, presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT) afirmou em vídeo publicado no portal Viomundo que o fim do Ministério do Trabalho significa o fim dos direitos que sobraram e não foram retirados pelo governo de Michel Temer. De acordo com o dirigente, Jair Bolsonaro não tem respeito pelo trabalhador e nem pelo trabalho.