Palocci entrega esquema do PT em eleições e revela gastos de R$ 1,4 bilhões em campanhas de Dilma

2 de outubro de 2018 | _
O ex-ministro dos governos Dilma e Lula Antonio Palocci diz em sua delação que cerca de 80% das campanhas presidenciais do PT foram financiadas de forma ilícita. O juiz federal Sérgio Moro tornou pública parte do acordo de colaboração do político nesta segunda (1º).

Segundo o político, nas eleições presidenciais de 2010 e 2014 o partido gastou cerca de R$ 600 milhões e R$ 800 milhões, respectivamente.

Eis o trecho da delação:




Palocci afirma que “os grandes arrecadadores do PT” foram Delibio Soares, João Vaccari e Paulo Ferreira. O próprio delator afirma na colaboração ser o responsável por negociar doações eleitorais de grande porte junto aos empresários. Os ex-ministros José Dirceu e Guido Mantega também teriam negociado os repasses de campanha.

DILMA ROUSSEFF
Na delação, Palocci afirma ainda que no início de 2010 o então presidente Lula reuniu-se na biblioteca do Palácio da Alvorada com ele, Dilma, e o então presidente da Petrobras Sérgio Gabrielli. Na ocasião, Lula teria feito o seguinte pedido:


Sérgio Gabrielli é 1 dos membros da cúpula de campanha de Fernando Haddad (PT) à Presidência da República. O ex-ministro Antonio Palocci firmou o acordo de colaboração com a Polícia Federal, que foi homologado pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região).

OUTRO LADO
Dilma e Lula divulgaram notas chamando as informações delatadas por Palocci de mentiras. No comunicado divulgado pela assessoria de imprensa de Lula, as críticas também focam a atuação do juiz Sérgio Moro.

“O juiz Sergio Moro é o responsável por mais uma interferência arbitrária e ilegal no processo de eleições, ao dar publicidade às mentiras de Antonio Palocci, que não tem credibilidade nem moral para falar sobre o PT”, diz a nota (íntegra).

A manifestação divulgada por Dilma chama o acordo do ex-ministro de “delação implorada”. Eis 1 trecho:

“Em sua terceira tentativa de delação “implorada”, o senhor Palocci inventa que as duas campanhas de Dilma à Presidência teriam arrecadado R$ 1,4 bilhão. Trata-se de um valor absolutamente falso. Apenas a hipótese de recursos tão vultosos não terem sido detectados evidencia o desespero de quem quer salvar a própria pele”, cita. Eis a íntegra da nota de Dilma.