FORÇAS OCULTAS: influentes e poderosos tentam salvar mandato de deputado condenado no RN

15 de agosto de 2018 | _
Corre a boca pequena os esforços de poderosos para salvar o Deputado Disson, que tenta ser candidato nestas eleições

Na última sexta-feira, dia 10 de agosto, o Supremo Tribunal Federal certificou o trânsito em julgado da condenação criminal contra o Deputado Estadual Rudson Lisboa, conhecido por Disson, a qual ele já vinha cumprido pena com uso de tornozeleira eletrônica.

Segundo a denúncia do Ministério Público, o Deputado teria desviado, entre os anos de 2001 e 2002, em proveito alheio, rendas públicas da Prefeitura Municipal de Goianinha/RN.

O trânsito em julgado decorre de pedido de renúncia a um prazo recursal formulado pelo próprio Disson. Com o trânsito no Supremo, automaticamente, os seus direitos políticos ficam suspensos e o Deputado perde o seu mandato. Estranho? Seria se não fosse a garantia dada ao Deputado do deferimento de uma liminar que asseguraria a sua elegibilidade.

Aliás, minutos depois do Supremo certificar o trânsito em julgado, o deputado ingressou com uma revisão criminal com pedido liminar no tribunal de justiça – processo nº 0805674-64.2018.8.20.000. Distribuído para a Desembargadora Judith Nunes – gabinete que sabe enfrentará sérias dificuldades –, o Deputado espera a redistribuição para o Desembargador Saraiva Sobrinho, prevento para a ação, e já colocou a postos a tropa de choque.

Mas os poderosos que compõem o staff de interlocução do deputado sabem que o Desembargador é extremamente técnico e duro, o que os levou a apostar em decisão favorável do Pleno do Tribunal. Tarefa difícil, notadamente depois da recente decisão do Ministro Sebastião Reis Júnior, do Superior Tribunal de Justiça, na petição nº 12.291-RN, apresentada pela defesa do Deputado e recebida como habeas corpus, em que entendeu que as matérias objeto da ação de revisão criminal já foram apreciadas no processo principal, não cabendo nova apreciação.

Antes de fechar esta edição, chega na redação do blog a informação de que o deputado Dison Lisboa incluiu o advogado Fábio Holanda no processo. 

A pressão no TJRN é total.

Fábio é sobrinho da desembargador Judith Nunes.