Falam muito que Ciro fala muito. E o que não se fala?, indaga Mario Rosa

24 de agosto de 2018 | _
‘Ciro é Lava Jato zero’, diz

Uma das coisas que muito se fala sobre o candidato Ciro Gomes é que ele fala muito. Que ele fala grosso. Que ele fala isso, que ele fala aquilo. Mas e o que não se fala sobre ele?

Por exemplo: ex-deputado, ex-prefeito, ex-governador, ex-ministro várias vezes, é um dos raros espécimes da fauna de políticos com biografias com esse DNA robusto que não estão infectados por uma macula sequer, mínima que seja, dos mega tentáculos da Lava Jato.

Ciro é Lava Jato zero. Para os mais rigorosos, nada mais do que obrigação de um homem público. Para a política como ela é ou, sobretudo, como ela costumava ser, um atestado e tanto.

Na campanha de 2002, o PT comemorou dizendo que “a esperança venceu o medo”. Do jeito que vão as coisas, com tanta náusea no ar, o bordão do dia seguia possa ser “alguma coisa (X) venceu a azia”. Sim, porque trajetórias dos políticos em geral, e a de Ciro em particular, quase não conseguem perfurar a lâmina do suco gástrico que faz esse começo de campanha parecer algo indigesto. E, nesse clima de acidez geral, descolado é quem sente nojo. Quem aprecia ou aponta virtudes é desequilibrado ou militante.

Ciro é uma das mais fulgurantes biografias de candidaturas presidenciais. Aventureiro? Como, com uma lista tão consistente de serviços públicos prestados? Desequilibrado? Então, milhões de cearenses foram governados por um desequilibrado durante um quadriênio, diversos ministérios foram comandados por anos – inclusive o sensibilíssimo ministério da fazenda – por um desequilibrado? E no ponto mais crucial depois do corte histórico da Lava Jato: ter uma história limpa não conta nada nesses tempos de indignação moral?

Já tivemos campanhas presidenciais em que um perfil como o de Ciro se assemelharia à de um gigante. Na atual, a má vontade com tudo e com todos é tão epidêmica que muitas vezes não nos permitimos ver como nossa democracia avançou a ponto de oferecer uma variedade de quadros políticos em que as qualidades de Ciro não podem ser colocadas como uma coisa menor.

Ciro é perfeito? Certamente não. Mas não estaremos elegendo o próximo Deus do Brasil, mas o próximo presidente da república. E suas credenciais são eloquentes, embora a moda hoje seja torcer o nariz e escrachar todos destacando defeitos ou supostos defeitos.

Sua Excelência, o eleitor, tem, sim, todo o direito de fazer sua escolha movido pelo que bem lhe aprouver. Assim é na democracia. Se vivemos tempos de bílis, que se dissolvam todos. A rigor, depois de anos de espanto e decepção com todas as revelações escabrosas das entranhas da política, não é de se surpreender que os brasileiros estejam de mal com seus representantes. Mas, ao mesmo tempo, não deixa de ser uma pena esse ambiente de contaminação geral.

Parece que só é elegante e consciente espezinhar qualquer um, até o ponto de se igualar todos por baixo e não sobrar ninguém. Eu me pergunto: será que um pouco de desarmamento de espíritos é necessariamente ingenuidade? Enxergar as virtudes de um candidato virou politicamente incorreto? Quem sabe a campanha avance e essa acidez no ar se dissipe um pouco. Ciro Gomes pode falar muito. E o que não se fala dele? Será que nisso não residem virtudes dignas de se apreciar?