Temer prioriza planos de saúde para privatizar o SUS

15 de junho de 2018 | _
Por Iberê Lopes - Responsável pela autorização de reajuste nos preços dos planos de saúde, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) pode apresentar proposta com novo aumento ao ministério da Fazenda até o final do mês. Se aprovada, será a 15º alta acima da inflação em uma década. A voracidade do mercado agora tenta avançar sobre o Sistema Único de Saúde (SUS).

Segundo informações, em reunião realizada no início da semana, a diretoria do órgão definiu limite de 10% para os novos valores que poderão ser praticados entre maio de 2018 a abril de 2019. A ANS não confirmou oficialmente a decisão.

Nesta quarta (13), o juiz José Henrique Prescendo da 22ª Vara Federal de São Paulo (SP) acolheu ação civil pública do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) determinando que o teto para alteração nas mensalidades dos planos de saúde individuais e familiares devem ser fixados em 5,72% para o período.

De acordo com dados da própria Agência Nacional de Saúde Suplementar, em 2016, o faturamento das operadoras de planos de saúde aumentou 12,8%, movimentando R$ 158,3 bilhões. O setor encerrou o período com lucro de R$ 6,2 bilhões, um crescimento de 70,6% quando comparado a 2015.