Acordo com o governo garante subsídios aos patrões e deixa de lado gasolina e gás de cozinha

25 de maio de 2018 | _
Um fisco do tamanho do governo Temer/Marum o acordo anunciado em coletiva de imprensa para fim do bloqueio dos transportes. Nenhuma mídia publicou em destaque o acordo escrito. Tudo que foi anunciado favorece os patrões. Os interesses da maioria da população como na gasolina e no gás de cozinha foram deixados de lado. Toda população trabalhadora pagará o preço desse acordo, um acordo para aumentar os lucros dos patrões.

O acordo firmado permite que a Petrobras continue subindo os preços conforme a variação do mercado internacional e que o governo pague a diferença.

Entre as medidas anunciadas estão:

1) Zerar o imposto CIDE, que implica em R$ 0,05 de desconto por litro de DIESEL, conseguindo os recursos perdidos com este imposto através de novos.
2) Estudar a redução do imposto PIS/Confins no DIESEL, compensando esta perda gerando novas receitas – ou seja novos impostos e através da “reoneração” de outros setores.
3) Congelar o preço do DIESEL por 30 dias, 15 dias o desconto de R$ 0,10 por litro será pago pela Petrobras os outros 15 dias será pago pelo governo.
4) Ressarcir a Petrobras por cada aumento de Diesel que não puder ser realizado
5) Todos novos aumentos de DIESEL ocorrerão somente de 30 em 30 dias
6) Permitir que caminhões sem carga não paguem pedágio
7) Renegociação com o setor de transporte daqui a 15 dias
8) Suspensão dos bloqueios por 15 dias

Este anuncio de acordo acontece ao mesmo tempo que a justiça autorizou o uso de força policial – e até mesmo do Exército em uma liminar – para retirar os caminhoneiros das estradas, medidas autoritária que merece o mais enérgico repúdio.