Judiciário privilegiado recebe R$4,773 de auxílio moradia; população pobre não tem onde morar

3 de maio de 2018 | _
Enquanto juízes que ganham mais de 100 mil reais têm uma série de privilégios como auxílio moradia de R$ 4377,73, mesmo já possuindo imóveis próprios, a população pobre e os trabalhadores sem teto morrem com incêndios e desabamentos de prédios públicos com péssimas condições de manutenção, como aconteceu na última terça (1), em São Paulo.

A cada dia que passa o capitalismo mostra mais o futuro de miséria que esse sistema reserva ao povo pobre para garantir o luxo de uma minoria. Ontem, no centro de São Paulo, foi escancarada a situação de moradia que é oferecida à população que não tem condições de ter um lugar digno para ficar. O incêndio seguido do desabamento do prédio público ocupado no Largo do Paissandu deixou centenas de famílias sem ter onde morar, além de ter causado uma morte e um desaparecimento.

Os juízes que tem verdadeiros super-salários se comparados com os dos milhões de trabalhadores, no entanto, dormem muito bem com a garantia do auxílio moradia em suas mansões, condomínios e apartamentos de luxo. Um auxílio-privilégio, ainda mais quando serve de "penduricalho" para ultrapassarem mais que elevado teto-salarial, enquanto esses trabalhadores que ocupavam o prédio não recebem sequer o dinheiro do aluguel.