STF julga HC de Lula sobre pressão popular, política e militar

4 de abril de 2018 | _
Vem de muitas partes a pressão ao desgastado Supremo Tribunal Federal - STF, que julgará hoje o habeas corpus de Lula.

A pressão tem vindo das ruas e de líderes das forças armadas.

Ontem, o general comandante do Exército Brasileiro Eduardo Villas Bôas, afirmou que a força julga "compartilhar os anseios de todos os cidadãos de bem" de "repúdio à impunidade". A declaração, feita em sua conta no Twitter, ocorreu às 21h39 desta terça (3), pouco após a realização de atos de manifestantes favoráveis à prisão de Lula.

Antes, Villas Bôas lançou um questionamento enigmático. "Nessa situação que vive o Brasil, resta perguntar às instituições e ao povo quem realmente está pensando no bem do País e das gerações futuras e quem está preocupado apenas com interesses pessoais?"

Em seguida, concluiu. "Asseguro à Nação que o Exército Brasileiro julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à Democracia, bem como se mantém atento às suas missões institucionais."

O general do Exército da reserva Luiz Gonzaga Schroeder Lessa afirmou que, se o STF deixar Lula solto, estará agindo como "indutor" da violência entre brasileiros. Ele afirmou ainda que, se a Corte permitir que Lula se candidate e se eleja, a intervenção militar será a única alternativa. 

Vilas Boas recebeu apoio de outros generais, que declararam apoio também através de suas redes sociais.