Em entrevista ao Roda Viva, Sérgio Moro defende o fim do foro privilegiado e fala do auxílio moradia para juízes

27 de março de 2018 | _
Augusto Nunes em despedida do Roda Viva, conduziu primeira entrevista ao vivo do magistrado desde o início da Lava Jato; conversa foi o assunto mais comentado no Twitter mundial



O juiz Sérgio Moro defendeu o fim do foro privilegiado em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, nesta 2ª feira (26). Foi a 1ª participação ao vivo de Moro em 1 programa de TV.

“Nós temos que eliminar, ou reduzir bastante”, disse no programa. “Vamos pensar eventualmente em manter para presidente da República, presidente do Congresso, presidente do Supremo Tribunal Federal. Mas, por exemplo, para magistratura… Eu tenho foro privilegiado. Acho absolutamente dispensável”, declarou.

O juiz da 13ª Vara Criminal Federal de Curitiba também se posicionou favoravelmente ao cumprimento de pena após a condenação em 2ª Instância. Moro diz que, aliada ao sistema processual brasileiro, “extremamente generoso em relação a recursos”, a espera pelo julgamento da última instância cria 1 “desastre para a efetividade do processo penal”, criando processos que se arrastam por anos.

O magistrado ainda afirmou que o Brasil tem 1 Supremo Tribunal “de qualidade” e que tem a expectativa de que a atual noção do STF não seja revista. No contexto, citou elogiosamente os ministros Celso de Mello e Rosa Weber. Os 2, no entanto, tendem a votar pelo adiamento da pena até o último recurso no caso do ex-presidente Lula –noção oposta à de Moro.

Questionado a respeito do episódio envolvendo gravações com a então presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula –o áudio do “Bessias”, que tratava da nomeação de Lula como ministro da Casa Civil–, Moro respondeu que divulgou os áudios “com a pretensão de estar fazendo a coisa certa, segundo a lei”. Na ocasião, o juiz de Curitiba pediu desculpas ao ministro Teori Zavascki, do STF. No programa, esclareceu que as desculpas foram “pela controvérsia gerada”, e não por uma admissão de erro ou arrependimento. “Jamais pedi excusas a respeito da divulgação daqueles áudios”, esclareceu.

Moro também foi perguntado a respeito do auxílio-moradia para juízes. A isso, retrucou que não se sente autorizado para ser uma voz no que se refere a diretos dos magistrados, mas que gostaria de ver na mídia 1 tratamento “mais abrangente” do assunto.

Participaram da bancada do programa João Caminoto, diretor de jornalismo do Grupo Estado; Sérgio Dávila, editor-executivo do jornal Folha de S.Paulo; Daniela Pinheiro, diretora de redação da revista Época; Ricardo Setti, jornalista e escritor; e Fernando Mitre, diretor de jornalismo da Rede Bandeirantes.

O jornalista Augusto Nunes ocupou pela última vez o posto de âncora do Roda Viva. Ao final, disse que “não poderia haver uma despedida mais honrosa”.

A entrevista teve forte repercussão nas redes sociais. A hashtag #RodaViva chegou a se tornar o assunto mais comentado do Twitter durante a transmissão do programa.