Quando a justiça quer faz. Bolsonaro vira Réu por apologia e fica na mira do STF

27 de fevereiro de 2018 | _
Quando a justiça quer faz e acontece. 

Está sendo assim com Lula. Ao contrário do que acontece com Aécio, Serra, Temer, Jucá, Padilha Moreira Franco e mais um turbilhão de maus feitores.

Com Lula fora da disputa, eis que preocupa a turma agora o deputado Jair Bolsonaro.

O ministro do supremo Luiz Fux, nesta terça (27) atropela a jurisprudência para acelerar a ação penal pública contra o presidenciável Bolsonaro.

Fux já marcou até interrogatório, antes mesmo de ouvir testemunhas.

Prova que processos são julgados, guardados quando de fato há interesses também do judiciário.

Agora é importante que fique claro que mesmo que seja condenado por “incitação ao estupro” contra Maria do Rosário, o deputado não ficará inelegível pela Lei da Ficha Limpa.

(Que fique claro também, que somos contrários ao que fez o deputado contra a colega).

Porém, há uma corrente no Supremo que alerta para o artigo 15 da Constituição, que prevê a suspensão dos direitos políticos de quem tiver condenação criminal transitada em julgado – pelo período que durar a pena.

Essa é mais uma trama de safadeza, que os capas pretas, estão armando para retirar do caminho aqueles que por ventura atrapalhe seus interesses.

Bolsonaro é Réu em 2 ações penais por injúria e apologia ao crime de estupro, o deputado federal e presidenciável Jair Bolsonaro foi intimado ainda ontem, a prestar depoimento no processo a que responde no Supremo Tribunal Federal (STF). 

Fux agendou para o dia 4 de abril o interrogatório de Bolsonaro. 

Bolsonaro está em viagem ao Japão como parte da agenda de pré-candidato à presidência da República. Ele ainda não se manifestou se pretende comparecer à audiência.