Neutro, imparcial e apartidário não combina com justiça brasileira

30 de janeiro de 2018 | _
O procurador [Carlos Fernando, da Lava Jato] há de convir que não é fácil que petistas engulam que a Justiça está tratando Lula e Serra da mesma forma. Mas não só Serra: Aécio, Temer, Geddel e mesmo Cunha também podem se candidatar. Lula não. As evidências, portanto, não são favoráveis à tese da neutralidade da Justiça. Como explicar que Lula venha a ser, em toda história politica brasileira, o único candidato com chances reais de ser eleito a ter sua candidatura obstada por decisão judicial?

Ao mencionar o foro privilegiado, o procurador pôs o dedo na ferida. Aí reside a diferença fundamental entre Lula e os demais políticos. O ex-presidente não contou com a proteção do foro privilegiado.

O sistema de Justiça ainda não forneceu provas contundentes de que é, de fato, um ator politicamente neutro, que a responsabilidade pela "corrupção sistêmica" não recairá nas costas de Lula e de sua candidatura.