Lula: A formalidade de uma condenação já anunciada

23 de janeiro de 2018 | _
Ao contrário do que disse o presidente da Câmara Federal, deputado Rodrigo Maia (DEM), onde diz que não ver motivos para o Brasil parar, o blog repete o que vem afirmando: Nesta quarta (24) o país vai parar para ver o julgamento o julgamento no TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), do caso triplex que acusa sem provas o ex-presidente Lula.

O TRF-4 vai julgar um caso sem provas, mas que já há a condenação prévia do acusado, pela 8ª Turma daquela Corte, pouca dúvida pode haver sobre a manutenção da condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Por esta razão é que nas especulações recentes têm havido apostas sobre o placar da derrota do ex-presidente. Se a decisão será unânime (3×0) ou por maioria (2×1)? Isso para se avaliar qual a sequência recursal do caso –embargos infringentes e/ou declaratórios.

Contudo, a modalidade do recurso, em verdade, terá pouca ou nenhuma relevância para o procedimento de eventual registro de candidatura de Lula na disputa pelo Palácio do Planalto neste ano de 2018.

Nunca é demais lembrar que há um clima hostil na capital gaúcha por causa da presença maciça de militantes pró-Lula.

Da mesma forma que o questionamento da candidatura de Lula só poderá existir quando o registro for requerido ao TSE. Não é possível impugnar algo que ainda não existe.

Contudo, a modalidade do recurso, em verdade, terá pouca ou nenhuma relevância para o procedimento de eventual registro de candidatura de Lula na disputa pelo Palácio do Planalto neste ano de 2018.