Aterrorizados com a violência população vive na cidade sitiada por mocinhos e bandidos

7 de janeiro de 2018 | _

Vivemos dias horríveis e não é exagero dizer que Natal é hoje uma cidade sitiada. De um lado marginais, do outro Forças Armadas e o cidadão natalense no centro do fogo cruzado, entre mocinhos e bandidos. O Jornal Folha de São Paulo mostrou na edição de ontem, sábado (6) imagens da cidade com soldados do exercito brasileiro espalhado pelas ruas de Natal, policiais algemados em protestos e a divisão do crime, na zona norte da cidade, onde as margens da via de acessos a Ponte de Igapó de um lado os marginais do PCC (1º  Comando da Capital), do outra lado da via, o Sindicato do RN, facções criminosas rivais que aterroriza morados.

Neste sábado, o governo decretou em publicação no Diário Oficial - DO, situação de calamidade na segurança pública. Com a paralisação das polícias, o Estado tem enfrentado uma onda de violência. O documento assinado pelo governador Robinson Faria (PSD), utiliza argumentos para o decreto 

** Indisponibilidade e insuficiência dos agentes de segurança;
** Aumento dos índices de violência decorrente da paralisação;
** Urgência de atendimento de situação de calamidade;
** Necessidade de adoção de medidas emergenciais.

A vigência do decreto é de 180 dias.

Parte dos policiais militares não vai às ruas desde 19 de dezembro, e policiais civis reduziram drasticamente o efetivo nas delegacias como forma de protesto para o pagamento dos salários de novembro, dezembro e o 13º, além de melhores condições de trabalho.

Robinson Faria prometeu que concluiria a folha de pagamento de novembro ontem, mas o dinheiro não fora creditado nas contas de muitos servidores, depois das reclamações e polemicas em redes sociais, o governador em nota divulgou:

"O Governo do RN esclarece que quitou neste sábado 6 o pagamento de novembro de todo o sistema de segurança pública e fez o repasse financeiro da totalidade da folha dos servidores. Por questões técnicas nas rotinas de processamento bancário, algumas secretarias ou órgãos terão os vencimentos creditados até  segunda-feira 8".