Rompimento de Pintinho e Tulio está mais para tucano de que machado e foice

14 de dezembro de 2017 | _
O Presidente da Câmara Municipal de Macau,  Jairton Medeiros (Pintinho), posta em sua timeline do face explicações do porque está saindo da base do governo Tulio Lemos. Pintinho patina no discurso em todo tempo. Diz que sai, ao mesmo tempo que afirma está dentro.

O rompimento do vereador do PCdoB, está mais rompimento tucano do que para machado e foice.

Eis a íntegra do texto:

Cidadãos(as) macauenses,  

Os últimos meses têm sido difíceis para o nosso povo. É verdade que a grave crise financeira e política que abalou o país repercutiu negativamente no nosso Município.

Ainda durante a campanha eleitoral, dizíamos que Macau não poderia mais suportar erros de gestão do passado. Era preciso um governo comprometido com a transparência pública, planejamento e com o equilíbrio das contas públicas.

O que se sucedeu, no entanto, foi o oposto do que esperávamos e acreditávamos. O Prefeito Túlio Lemos não tem apresentado o bom modelo de gestão pública que desejamos e que Macau precisa. O que vemos é uma sucessão de erros de gestão que têm contribuído para o agravamento da crise que abalou nossa cidade.

O gestor peca pela falta de transparência, de planejamento e gerenciamento correto das receitas e despesas, contribuindo decisivamente para o agravamento da crise.

Por vezes, tentamos ajudar a corrigir os rumos desta gestão, em uma parceria realizada tão somente no plano político, vale ressaltar que embora estivéssemos compondo o Governo, jamais esse mandato exigiu ou ocupou qualquer cargo na gestão, em uma explícita demonstração do diferencial político a que nos propusemos e efetivamente demonstramos.

Apresentamos o Plano de enfrentamento da crise financeira que entregamos ao próprio Prefeito, no mês de agosto, Naquele documento, sugeríamos ações: redução dos gastos com cargos comissionados, do número de secretarias, da jornada de trabalho, revisão de contratos de alto valor etc.

No entanto, o Prefeito insistiu em ignorar colaboração de aliados, tratando críticas de aliados como ataques de adversários, sugestões como tentativas de ingerência no seu Governo.

Continua a insistir em uma forma ultrapassada de gestão, administrando a cidade fechado em seu gabinete, deixando de buscar ou promover debates com a sociedade macauense.

Aliança é via de mão dupla. Ambos os lados precisam estar dispostos a ajudar e serem ajudados. O aliado precisa ter maturidade política para ouvir críticas e respeitar as individualidades dos seus parceiros políticos.

Por tudo isso, tornou-se insustentável manter aliança com um governo que não demonstra disponibilidade para ouvir sugestões dos seus aliados e que insiste em erros administrativos elementares que têm comprometido a prestação de serviços públicos essenciais.

A partir de agora, não trataremos o Prefeito Túlio como aliado político. Nossa relação será institucional, como dito na última sessão legislativa. Sempre visando o bem comum do povo macauense.

Isso não quer dizer que deixaremos de trabalhar para que o Município supere a atual crise ou que torceremos pelo “quanto pior ,melhor” .

O prefeito tem agora que nos convencer novamente, mas dessa vez não com palavras, mas sim com ações imediatas, não adianta falar em humildade, tem que praticá-la, não adianta falar em zelo com o que é público, tem que exercê-lo. Da nossa parte, continuaremos preocupados, inquietos e trabalhando para que o Município encontre os trilhos da boa governança.

Por fim, lembro que a democracia nos permite ocupar espaços e pensamentos divergentes, com base no respeito e na dignidade de cada pessoa e não podemos abrir mão desta condição, se quisermos construir um modelo de política participativa.

Macau, 12 de Dezembro de 2017.

Jairton de Araújo Medeiros (Pintinho)

Vereador presidente da Câmara Municipal de Macau.

Corre nos corredores do palácio João Melo que o "rompimento" do vereador tem relação com a secretaria de educação. Burburinhos na cidade diz que Pintinho não se afastou do prefeito pelos transtornos que afligem a cidade, mas pelo fato de que o prefeito não atendeu pelo menos até agora seu pleito. O de indicação da titularidade da pasta de educação.

Pelo que chega o blogue, através de fonte fidedigna, o vereador não romperia unilateralmente. 

Seu rompimento seria em acordo com o médico e líder político, Eduardo Lemos.

Sendo assim, machado e foice não corta e sim não corta não separa.