PEN define que vai priorizar alianças com partidos de lideranças sem mandato

27 de novembro de 2017 | _
Tendência atual é que o PEN e outras oito siglas formem uma espécie de bloco partidário para disputar as eleições do ano que vem, notadamente os pleitos para deputado estadual e federal


Dirigentes potiguares do Partido Ecológico Nacional (PEN) definiram no último sábado, 25, que a legenda irá priorizar nas eleições de 2018 a formação de alianças com outros partidos que não possuam lideranças com mandato atualmente.

Nesta terça (28), o primeiro de uma série de encontros irá reunir membros de outros oito partidos que têm a mesma intenção. A tendência atual é que as siglas formem uma espécie de bloco partidário para disputar as eleições do ano que vem, notadamente os pleitos para deputado estadual e federal.

O PEN deverá se transformar oficialmente em breve no Patriota.

A reformulação do partido foi uma das exigências que o deputado federal Jair Bolsonaro (atualmente no PSC) estabeleceu para se filiar à agremiação e disputar a Presidência da República pelo partido.

A possibilidade de receber Bolsonaro inflou as expectativas de crescimento do PEN.

O assunto também foi discutido na reunião que os dirigentes realizaram no sábado. Na oportunidade, começou a ser esboçado um plano de acomodação das lideranças que devem migrar para a sigla juntamente com o presidenciável, o que deve acontecer no início do ano que vem.

O advogado Luiz Gomes, presidente estadual do partido, comandou a reunião, que teve ainda presenças de outras lideranças do partido no Rio Grande do Norte, a exemplo do vereador em Natal Preto Aquino e do dirigente macauense do partido Erivelto.

Embora tenha conduzido a reunião, ainda há rumores de que o advogado Luiz Gomes esteja com malas prontas para deixar o partido. É que com a chegada de Bolsonaro, um grupo de militares já se articula para assumir a agremiação no Estado.

Luiz Gomes não concorda com muitos pontos ideológicos defendidos pelo presidenciável.