Braço direito de Cunha deputado Marum assume Secretaria de Governo de Temer

23 de novembro de 2017 | _
Na tentativa de aprovar ainda este ano a reforma da Previdência, Michel Temer tenta recompor a base aliada e agradar os descontentes. Depois de uma conversa com o principal fiador do golpe, o senador Aécio Neves (PSDB-MG), nesta quarta (22). Temer decidiu mudar o articulador político do Palácio do Planalto, nomeando o deputado Carlos Marun (PMDB-MS), que integra a sua tropa de choque, para ministro da Secretaria de Governo em substituição ao tucano Antonio Imbassahy (BA). 

Antes de pertencer a tropa de Temer, Marun integrava as fileiras do então presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), hoje preso pela Lava Jato. Fontes do Planalto dizem que para assumir como ministro, o peemedebista teria se comprometeu com Temer a não disputar a reeleição para deputado federal no ano que vem e, assim, não desagradar o chamado Central.

 A insatisfação de deputados do Centrão e do próprio PMDB com o tucano Antonio Imbassahy na articulação política do governo Temer pesou.

Na tentativa de acalmar os ânimos e angariar votos para sua Reforma da Previdência, Temer vem cedendo às pressões e nesta quarta-feira (22), o nome de um de seus ferrenhos defensores na Câmara, o deputado Carlos Marun (PMDB-MS), começou a circular nos bastidores e na imprensa para ocupar o cargo.

Para a presidenta nacional do PCdoB, deputada Luciana Santos (PE), a indicação de Marun é simbólica e explicita “a força de Eduardo Cunha nas diretrizes políticas do governo Temer”.