Puxa encoi: Depois de nomear, demitir e nomear prefeitura de Macau volta a exonerar todos os cargos comissionados

26 de outubro de 2017 | _
Há poucos dias de completar 11 meses de gestão, o prefeito Tulio Lemos, mostra duas coisas que não se deve fazer ao administrar uma prefeitura. A 1ª é que não se deve fazer como ele mesmo. A 2ª Tulio mostra que quando não se tem nenhum preparo não se deve ao menos ser candidato a prefeito.

Na campanha o atual prefeito através de videos divulgados em seu Facebook fazia criticas ao então prefeito Einstein, e insinuações de como se deveria administrar.

Mas, ao assumir a prefeitura em janeiro, nomeia familiares e apoiadores como auxiliares na prefeitura.

Pouco mais de 1 mês depois, Lemos exonera apoiadores, cerca de 1 mil entre comissionados e contratados, alegando queda na receita.

Em seguida, com a mesma frustração de receita, Tulio volta a nomear cargos e realizar contratos, agora com vencimentos superiores aos meses anteriores, com aumento do número de cargos e de salários. Ora... Para quem não podia pagar menos com salários menores ele achou que iria poder pagar mais, com salários maiores. Inocente!

Somente se explica isso, se ele como um amigo sempre diz: é um menino.

É a pura prova dos 9.

Ontem, o prefeito reuniu-se com seus edis para dizer que vai exonerar todo mundo.

Espera-se que comece pela família que apenas o ajudou a onerar  a folha de pagamento além de nada ter contribuído com o município e que pague os salários atrasados e indenizações a todos que de fato trabalharam.

Eis o que diz a nota da prefeitura distribuída a imprensa:

Prefeitura de Macau demite todos os cargos comissionados

A frustração de receitas, devido a queda na arrecadação, no repasse dos recursos federais e estaduais levou o prefeito de Macau Tulio Lemos a optar pela exoneração de todos os servidores comissionados. Um total de 290 funcionários serão demitidos na próxima terça-feira, 31. 

A medida foi tomada em conjunto com os oito vereadores que dão sustentação política ao governo na Câmara Municipal, durante reunião de bancada que aconteceu na sede da prefeitura na tarde desta quarta-feira, 25.

Tulio Lemos também informou aos vereadores que será anunciado um cronograma de pagamento de salários atrasados de servidores comissionados e contratados, de forma que essa dívida possa ser amortizada observando a situação de crise financeira que vive o município com a queda de receitas.

Ainda na mesma reunião, prefeito e vereadores chegaram a um consenso acerca da suspensão de novas despesas ou aumento com gastos de pessoal. “Posteriormente as demissões que vão ocorrer, será contratado o mínimo de pessoal necessário para garantir o atendimento básico à população em áreas como educação, saúde e assistência social”, explicou o vereador Carlinhos do Valadão, líder do governo na Câmara Municipal.

A frustração de receitas, devido a queda na arrecadação, no repasse dos recursos federais e estaduais levou o prefeito de Macau Tulio Lemos a optar pela exoneração de todos os servidores comissionados. Um total de 290 funcionários serão demitidos na próxima terça-feira, 31. 

Outras medidas também foram propostas pelos vereadores e acatadas pelo executivo, a exemplo da venda de prédios e terrenos do município, como o terreno onde funcionou a antiga AABB. O leilão de bens inservíveis (sucata de motos, ambulâncias, ônibus e outros veículos) foi outra ideia discutida e já acatada na reunião. Uma comissão com representante do legislativo acompanhará a aplicação das medidas anunciadas.

“O município precisava dessas medidas. A demissão de todos cargos comissionados é necessária nesse momento de crise, onde todos estão fazendo esse esforço, cortando na própria carne”, avaliou o vereador Jairton Medeiros-Pintinho, presidente da Câmara Municipal, lembrando que também foram sugeridas algumas readequações que vão ajudar a prefeitura a manter o equilíbrio entre receita e despesas.

“São medidas drásticas, duras, mas inevitáveis. A crise financeira impõe aos gestores posições que naturalmente por vontade própria eu não tomaria. Somente com a redução do custeio da máquina, associada a essas demissões de todos os comissionados vamos chegar ao equilíbrio nas contas públicas”, declarou o prefeito Tulio Lemos.

O prefeito Tulio Lemos também informou que todos os contratos de locação de imóveis, veículos e serviços sofrerão redução nos custos para se adequar a nova realidade do município. Quanto às dívidas com contratados e comissionados, Túlio lembrou que quem por iniciativa própria pagou quase R$ 2,5 milhões em salários atrasados, herdados da gestão anterior, em apenas seis meses, tem crédito para negociar e pagar as suas dívidas.

Participaram da reunião com o prefeito Tulio Lemos, os vereadores Jairton Medeiros-Pintinho, Carlinhos do Valadão, Diana Lira, Lampião, Marcos Cabral, Dinarte Alessandro, Sargento Dantas e Ceição Lins.

Essa foi a nota.

O governo termina sem que tenha ao menso começado.

Continua atribuindo a culpa ao ex-prefeito Einstein Barbosa.

Na nota diz que em conjunto com os vereadores fora tomada a decisão de demitir. Querendo dividir o ônus da culpa de seus erros com a bancada, que realmente tem culpa, pois só tem concordado com os absurdos. Não há de nenhum edil questionamentos. Apenas defesa, assim está certo o governo de dividir a culpa.

Vamos ver a coerência dos edis e dos apoiadores puxa-sacos se ainda irão defender o indefensável sem salários e cargos.