Tentativa de trama pra controlar voto no PSDB é vista como erro no Planalto

23 de outubro de 2017 | _
Ao engrossar o apoio ao senador Aécio Neves o governo Temer tinha a expectativa de que o próprio Aécio conseguiria mudar votos e reverter a tendência de racha da bancada verificada na votação da primeira denúncia. Porém, o Planalto desconsiderou o fato de que, assim como o próprio governo Temer, Aécio está sem moral dentro do PSDB e sua cabeça está a prêmio na presidência da legenda.

Neste caso, a intervenção de Temer no PSDB só aumentou seu desgaste com tucanos.

A tentativa de isolar os tucanos insatisfeitos e neutralizar a debandada do governo causou efeito inverso e o Planalto considera que foi um erro a estratégia de intervir no PSDB. De acordo com o colunista do G1 Gerson Camarotti, aprofundar o racha tucano para tentar aumentar o número de votos favoráveis a Temer na análise da segunda denúncia só aumentou o desgaste do governo.

A bancada tem atualmente 44 deputados federais. Na 1ª denuncia Temer obteve 22 votos a favor e 21 votos contra.

Temer declarou guerra com a bancada tucana ao bancar o nome do deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG) como relator da denúncia na Comissão de Constituição e Justiça.

“O tiro saiu pela culatra. Foi tanta confusão que Temer corre risco de ter uma votação menor na bancada do PSDB”, disse uma fonte tucana ao G1.