Condenado Palocci mostra que no Brasil está preso não é tão ruim e escreve ao PT carta

26 de setembro de 2017 | _
No Brasil cadeia é luxo. Preso e condenado a mais de 12 anos de prisão, o ex-ministro Antonio Palocci (PT), escreve carta ao PT, em que pede a desfiliação da legenda. 

No documento de quatro páginas, ele descreve os motivos pelos quais resolveu deixar o partido que ajudou a fundar. A carta é endereçada à presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann. 

De acordo com informações veiculadas pela imprensa, Palocci faz uma série de críticas ao PT e ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Se Palocci, preso e condenado tem o luxo de ter acesso a noticias e a material para redigir carta, não vejo porque outros condenados seja lá de espécie que for, não pode usar celular ou outro equipamento de comunicação. Afinal ele é condenado. 

Ou deram-lhe acesse apenas porque o que falaria comprometeria Lula?

Veja como reagiu a presidente do PT:

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, disse em nota que o ex-ministro Antonio Palocci demonstrou "fraqueza de caráter".

"A forma desrespeitosa e caluniosa como se refere ao ex-presidente Lula demonstra sua fraqueza de caráter e o desespero de agradar seus inquisidores", afirmou.

Leia a íntegra da nota.

Nota do Partido dos Trabalhadores

"A carta divulgada hoje (26) por Antonio Palocci e seus advogados não se destina verdadeiramente ao PT, mas aos procuradores da Lava Jato. É a mensagem de um condenado que desistiu de se defender e quer fechar negócio com o MPF, oferecendo mentiras em troca de benefícios penais e financeiros.

A carta repete as falsas acusações que ele fez diante do juiz Sergio Moro e que contrariam seus depoimentos anteriores. Em qual Palocci se deve acreditar: no que diz ter mentido antes ou no que mudou de versão agora para se salvar?

O PT trata de forma igual todos os filiados que enfrentam investigações e ações judiciais. Respeitamos o princípio da presunção da inocência. Ninguém será julgado por comissão de ética partidária antes do trânsito final dos processos na Justiça.

Palocci decidiu "queimar seus navios", romper com sua própria história e renegar as causas que defendeu no passado.

A forma desrespeitosa e caluniosa como se refere ao ex-presidente Lula demonstra sua fraqueza de caráter e o desespero de agradar seus inquisidores.

Política e moralmente, Palocci já está fora do PT.