Governo Temer corta as bolsas CNPq da UFRJ depois de gastar 3 bi na compra de votos de deputados

4 de agosto de 2017 | _
A UFRJ uma das maiores financiadoras de pesquisa brasileira, ontem (2) sofreu um dos maiores cortes referente às bolsas do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico). A entidade por meio de comunicado informou os docentes de que seus alunos de iniciação científica possuidores de bolsa deixarão de receber o benefício a partir de setembro.

Esse corte absurdo é reflexo do plano de contingência do atual governo, que está cortando verbas em diversas áreas, principalmente na educação, em que o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações sofreu um restrição de 40% no seu valor inicial.

O ministro Gilberto Kassab (PSD-SP), o presidente do CNPq e o engenheiro Mário Neto Borges, se reuniram ontem buscando mostrar à mídia que estão tentando "resolver o problema", quando na verdade a maior preocupação é acerca do teto nos gastos públicos para seguir mantendo os lucros dos grandes tubarões da educação. Cerca de 90 mil bolsistas e 20 mil pesquisadores poderão ser prejudicados pela interrupção dos pagamentos.