"Governo de Michel Temer é semiparlamentarismo de chantagem explícita"

6 de agosto de 2017 | _

Cientista político da Unicamp diz que o receio de novas denúncias contra o presidente transformou o Executivo em refém do Legislativo

A Câmara dos Deputados salvou Michel Temer da abertura de um processo por corrupção passiva no Supremo Tribunal Federal (STF), mas as consequências da decisão terão impacto duradouro no funcionamento das instituições.

Em busca de votos favoráveis ao presidente, emissários do governo trabalharam até o início da votação, na quarta-feira 2. Com a negociação de emendas parlamentares até os últimos minutos, dentro do plenário do Câmara, o Planalto conseguiu a quantidade de votos necessários para arquivar a denúncia apresentada contra Temer pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

Em entrevista a CartaCapital, o cientista político afirma, ainda, que Temer deve ter dificuldades para levar adiante a reforma da Previdência e diz que o governo, agora, é um "governo zumbi". "A base não está mais tão coesa, e os grupos políticos estarão cada vez mais focados na disputa de 2018."