Delação de Rita das Mêrces acusa governador Robinson de receber propina de R$ 100 mil mês

16 de agosto de 2017 | _
Momento difícil atravessa o Estado do Rio Grande do Norte. Se não bastasse a violência nas ruas, o sucateamento de escolas e a superlotação em hospitais, além de salários atrasados, o Estado assiste agora o governador da "segurança", sucumbindo em crise de corrupção. Robinson Faria e seu filo Fábio Faria são citados na Operação Lava Jato, acusados na delação da JBS de receber R$ 10 milhões em propina pela privatização da CAERN. Agora Robinson enfrenta mais um PROBLEMÃO. Trata-se agora do envolvimento de Robinson no desvio de recursos da Assembleia Legislativa través do uso de funcionários fantasmas.

O que pesa contra Robinson e as provas em delação da ex-procuradora Rita das Mêces ao Ministério Publico Federal:

* O nome de Robinson foi citado por Rita das Mercês, em delação premiada. Ela conta que arrecadava cerca de 100 mil reais por mês e entregava o dinheiro a Robinson.

* A delação de Rita está acompanhada de cópias de inúmeros cheques emitidos pela Assembleia em nome de laranjas e descontados na boca do caixa. Extratos bancários. 

* Funcionários fantasmas que disseram em seus depoimentos que sequer sabiam das contas e outros que disseram qual o destino que teria o dinheiro e a parte que lhes cabia.

* Uma gravação em aúdio feita pelo Ministério Público Federal em ação controlada em que uma pessoa  que se dizia a mando de  Robinson negociou uma quantia para que Rita das Mercês pagasse seus advogados em troca de não fazer a delação.

* Uma gravação em vídeo da entrega do dinheiro.

* Documentos que comprovam que os advogados de Rita das Mercês vinham sendo pagos com valores enviados para ela por meio de terceiros.

* Documentos que mostram todo o esquema funcionando, desde a chegada da autorização para incluir “funcionários fantasmas” a emissão dos cheques e o desconto do cheque no caixa, tudo comprovado pelos depoimentos de vários envolvidos.