Senadora Fátima Bezerra liderou movimento que tirou Eunício Oliveira do plenário depois que ele mandou apagar luzes e desligar microfones

11 de julho de 2017 | _
Causas vitais justificam gestos extremos.
Três mulheres interromperam a monstruosa sessão do Senado onde se rasgaria os direitos dos trabalhadores.

A sessão do Senado em que se votaria nesta terça-feira (11), a reforma trabalhista foi suspensa depois que um movimento da oposição liderado pela senadora potiguar Fátima Bezerra (PT), impediu o presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-CE), de sentar-se à mesa.

O cearense indignado com a atitude, ordenou que fosse desligadas as luzes e microfones do plenário da Casa. Segundo a Folha de São Paulo, o PMDBista saiu do plenário dizendo que "nem na ditadura se fazia isso".

A líder do movimento que impediu Eunício a sentar-se na cadeira de presidente, a senadora Fátima Bezerra, estava acompanhada das senadores Gleisi Hoffmann (PT-PR) e Vanessa Grazziotin (PC do B- AM), que se recusaram a levantar-se da cadeira.

As três, que não têm medo de cara feia, só sairão quando o acesso de trabalhadores for aberto, pois as galerias estão fechadas.