Janot se apressa. Temer safou-se, mas Gilmar ficou mais fraco

10 de junho de 2017 | _
Se a Veja coloca Michel Temer como um caricato general, o boletim oficioso do Planalto, a Istoé dá capa a um Rodrigo Janot como um transtornado, que “perdeu o controle do ego” e saiu “em busca de troféus”, no caso, a cabeça de Michel Temer.

O objetivo é indisfarçado: alimentar oposição interna, no Judiciário e no próprio Ministério Público, a Janot . Difícil saber, a esta altura, se o “lavajatismo” o apóia: Janot está a três meses de ser bananeira que deu cacho e só o receio de que Temer escolha alguém, tal como fez ao levar Torquato Jardim ao Ministério da Justiça e Alexandre de Moraes ao STF , escolha um procurador de sua estrita confiança para a chefia da Procuradoria Geral da Justiça, que vá aparando as asas dos rapinantes de Curitiba.

Para isso, porém, é preciso frear a “busca de troféus” de Janot e ela parece estar em ritmo acelerado.

Janot sabe que seu adversário na Justiça, Gilmar Mendes, saiu como o Rei Pirro da província de Epiro, após derrotar os romanos: outra vitória como esta e estará completamente arruinado. Por isso e pelo prazo fatal diante de si, tem de mover-se rapidamente.

O país caminha para um novo ciclo de afundamento, que ninguém o duvide, porque com as instituições transformadas em octógono de UFC, os apetites mais selvagens do mercado não vão hesitar diante da falta de legitimidade do que querem impor.