Cardeal George Pell, homem poderoso do Vaticano é indiciado na Austrália por abusos sexuais a crianças

29 de junho de 2017 | _
É notório que a igreja católica tem um trajetória escabrosa, fundada muitas vezes em escândalos, que vão de corrupção, onde cardeais são acusados de roubo no Banco do Vaticano a abusos sexuais de crianças, envolvendo de padres de pequenas cidades a cardiais do vaticano, como o  mais recente caso, do cardeal George Pell, braço direito do Papa Francisco, e Secretário de Finanças do Vaticano, que coloca Francisco de saia justa. 

Foi a conta gotas que o assunto foi sendo revelado. Jornais internacionais dão conta que o Papa Francisco resistiu até onde deu para proteger Peel, mesmo aceitando o desgaste dentro da Cúria Romana, acreditando na inocência do poderoso subordinado, mas Francisco ver o muro de contenção desmoronar com o indiciamento de Pell nesta quarta-feira (28), sendo acusado formalmente de múltiplos abusos sexuais na Austrália, conforme anunciou o policial Shane Patton.

Logicamente que o poderoso cardeal negou todas as acusações, assim como tem sido praxe de quase todos acusados.

Ao assumir a liderança da igreja sendo eleito Papa em 2013, o Pontífice com sua trajetória de quebrar paradigmas na Igreja Católica, o papa Francisco admitiu pela primeira vez que a denominação tem sido “cúmplice” dos padres denunciados por práticas pedófilas.

Durante um missa Francisco chegou a pedir perdão às vitimas que sofreram abuso de padres. Ainda em 3013, Francisco cria uma comissão para impulsionar uma cruzada contra a pedofilia, e ver quatro anos depois um dos três homens mais forte do Vaticano envolvido em mais um escândalo de abuso sexual.

O cardeal Pell, de 76 anos, mora no Vaticano, é considerado o "número três" na hierarquia da Sé.

A crise na Igreja Católica sobre pedofilia ocorre em todo mundo. Há anos, acusações de que vários de seus sacerdotes cometeram abuso sexual em vários países - e que muitos casos teriam sido acobertados. O cardeal Pell também é acusado de acobertar padres pedófilos, transferindo-os para outras cidades depois que os sacerdotes sofrem denuncias.

O intrigante disso tudo é que Pell se apresenta como homem de valores tradicionais católicos, assume postura conservadora em relação a casamento gay e contracepção, além de defender o celibato dos padres.

Georgel Pell além de ser do mais alto clérigo da Austrália, é também uma das mais altas autoridades do mundo católico.