Ao salvar Temer, TSE serviu pizza requentada ao país

10 de junho de 2017 | _
Bernardo Melo Franco, colunista da Folha de S Paulo --- O julgamento da chapa Dilma-Temer foi previsível até no placar. Com semanas de antecedência, o governo já projetava a vitória por 4 votos a 3. Ao confirmar o resultado, a corte assinou um recibo de submissão ao Planalto e serviu uma pizza requentada ao país.

O governo não teve dificuldade para tratorar o relatório de Herman Benjamin. Na reta final do processo, Michel Temer nomeou dois dos sete ministros que decidiriam seu futuro. Napoleão Maia era visto como o terceiro voto garantido pela absolvição.

Faltava apenas um ministro para liquidar a fatura. Para isso, Temer contava com o amigo Gilmar Mendes na cadeira de presidente do TSE.

Não houve suspense algum quando Rosa Weber votou a favor da cassação e deixou a tarefa do desempate para Gilmar.

Ele agiu como se esperava. Criticou o Ministério Público, repetiu que o TSE não poderia gerar "instabilidade política" e assegurou a permanência de Temer no poder.

A surpresa ficou restrita ao repertório do ministro. Acostumado a citar juristas em alemão, ele recorreu a Américo Pisca-Pisca, o personagem de Monteiro Lobato, para justificar o voto a favor do governo. "Se eu fosse reformar a natureza, colocaria as abóboras nas jabuticabeiras", recitou.

Gilmar também encontrou tempo para rebater as críticas pela proximidade com o presidente. "Essa lógica de amigo e inimigo outros praticam, não eu", informou.

Apesar da derrota, Benjamin deixou o plenário com a imagem de "campeão moral". Num voto extenso, ele detalhou o uso de propina e caixa dois da campanha de 2014 e constrangeu os colegas que decidiram ignorar as provas da Lava Jato.

"Como juiz, recuso o papel de coveiro de prova viva. Posso até participar do velório, mas não vou carregar o caixão", avisou. Nem precisava. Já havia quatro ministros dispostos a segurar as alças do esquife.